Promotor questiona Prefeitura sobre lago

Ministério Público quer saber por que as ruas próximas do Parque da Aclimação ficaram [br]inundadas anteontem

Nataly Costa, O Estado de S.Paulo

18 Fevereiro 2011 | 00h00

O Ministério Público Estadual (MPE) vai pedir à Prefeitura de São Paulo esclarecimentos sobre o incidente, anteontem, no Lago da Aclimação. Em obras, o vertedouro de emergência construído para regular o nível do lago não suportou a chuva. A água inundou as casas vizinhas, destruiu o campo de futebol nos fundos do parque e carros estacionados nas ruas do entorno.

O MPE já havia instaurado, em 1993, inquérito civil para apurar os níveis de poluição do lago - as investigações se intensificaram após o rompimento do vertedouro e o consequente esvaziamento do lago, em 2009. O processo foi arquivado porque, de acordo com a Promotoria de Justiça do Meio Ambiente, tão logo começaram as obras de limpeza e reconstrução do vertedouro "as condições de manutenção do lago estavam adequadas e as obras, em andamento".

"Agora temos um fato novo, um transbordamento que ainda não se confirmou. Por isso vamos pedir à Prefeitura informações sobre um eventual comprometimento das obras", afirma o promotor Marcos Lúcio Barreto. Se o extravasamento for confirmado, o inquérito pode então ser reaberto. "O fato é que as obras não estão concluídas, então temos uma margem de tolerância", diz Barreto.

A retirada de lodo do lago começou em junho; a substituição do vertedouro, em setembro. O prazo inicial de conclusão da última obra era de cinco meses - a Secretaria do Verde e do Meio Ambiente afirmou ontem, porém, que o término será em abril. O novo equipamento terá capacidade para dar vazão a 110 milhões de litros de água e por isso deve suportar melhor chuvas fortes como as de anteontem.

A Prefeitura afirma que o que transbordou anteontem foi "o canal, não o lago" - moradores do local relatam um "tsunami" vindo do lago, impulsionado pela baixa capacidade de vazão desse canal, o vertedouro provisório. "Trabalho aqui há anos e nunca vi nada igual. A água subiu mais de um metro e estragou os três carros na nossa garagem", diz Jorge de Freitas, funcionário de uma loja de informática nos fundos do parque.

Granizo. Ontem, choveu granizo nas regiões norte, leste e central da capital, que registrou dez pontos de alagamento até as 19 horas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.