Promessas em ano eleitoral

PLANETÁRIO DO PARQUE DO CARMO

O Estado de S.Paulo

01 de setembro de 2012 | 03h04

Todos os dias caminho no Parque do Carmo, na zona leste, um lugar maravilhoso. Mas alguns fatos simbolizam a incompetência da Prefeitura e seu pouco-caso com o bem público e o cidadão paulistano. O Planetário do Carmo, por exemplo, está desativado desde 2005. Reclamei à Coluna em fevereiro e, à época, a Prefeitura informou que o projetor do planetário voltaria a funcionar até o fim do 1.º semestre. Outro problema é a circulação de automóveis (por funcionários e alguns frequentadores) dentro do parque, o que põe em risco os usuários que usam o local para caminhar e correr. Na festa das cerejeiras, por exemplo, muitos visitantes foram de carro até as árvores floridas! O terceiro problema são os ambulantes que vendem comida e deixam no parque uma imensa fumaça e cheiro de gordura queimada.

ALBERTO DOS SANTOS FERREIRA / SÃO PAULO

A Prefeitura informa que a perspectiva é que o projetor do Planetário do Carmo esteja funcionando no 2º semestre. Quanto aos ambulantes, a Secretaria do Verde está elaborando um modelo que atenda às necessidades dos usuários do parque e à lei vigente. Sobre a circulação de carros no parque, está desenvolvendo novas regras para restrição de entrada de automóveis em alguns portões, além de reforçar a orientação com os seguranças para que não permitam esta prática.

O leitor comenta: Estranho fazer o planetário funcionar só após sete anos, e em ano eleitoral. O prefeito só é rápido nas proibições. Quanto aos ambulantes, falta coragem à Prefeitura e, sobre os carros, nada vai ser feito porque a maioria é de funcionários do próprio parque e da Prefeitura. Viva a bagunça!

PEDESTRES EM PERIGO

Falta fiscalização

Está cada vez mais difícil circular na Rua Antônio Marques Julião - fiz uma reclamação à Prefeitura em abril e prometeram uma solução, mas não cumpriram. A rua é movimentadíssima, com ônibus, carros e caminhões trafegando em alta velocidade. Há uma creche próxima e o desrespeito aos limites de velocidade põe em risco a vida de crianças e outros pedestres.

MIRIAM FERREIRA / SÃO PAULO

A CET informa que a Rua Antônio Marques Julião recebeu nova sinalização de solo, que contempla faixas para a travessia de pedestres, linha dupla amarela e faixa zebrada divisora de fluxos, bem como sinalização de lombadas. Diz que vistoriou a via e está elaborando um projeto que prevê a instalação de faixa de pedestres em frente ao nº 322, próximo do acesso à referida escola.

A leitora reclama: Vários acidentes acontecem no local por imprudência dos motoristas e nunca vi um agente da CET na rua citada ou nas proximidades.

PERDA DE TEMPO COM CET

Risco de animais na via

Passo todos os dias pela Marginal do Pinheiros, sentido Interlagos, e, numa dessas ocasiões, havia quatro vacas quase na pista. A fim de evitar um acidente, abordei um agente da CET, na esquina da Avenida Guarapiranga com a Rua José Rafaeli. Ao abrir o vidro do carro, já fui reprimido por ter virado à direita sem sinalizar. Pedi desculpas e ouvi outra reprimenda: "O senhor não pode ficar parado aí". Só espero não ter sido multado por "ousar" falar com o agente.

RENATO CAMARGO / SÃO PAULO

A CET informa que deixar de indicar com antecedência a mudança de direção é infração grave e parar o veículo em local inadequado põe em risco o próprio condutor e os demais usuários da via. Ressalta que, sempre que detecta animais na pista, toma as providências necessárias.

O leitor lamenta: Resposta decepcionante. Tentei alertar sobre um perigo e fui repreendido. Mas aprendi a lição e da próxima vez nem perco meu tempo. Esta é a CET!

OBRA DA COMGÁS

60 dias para reparar calçada

No início de junho a Comgás fez obras na tubulação de um prédio vizinho ao meu (Rua Dona Adma Jafet, altura do n.º 173). Por causa desta obra, houve o rompimento do pavimento da calçada, que, até agora, não foi consertado. Pedestres estão em risco (o hospital Sírio-Libanês fica nessa rua). Contatei a Comgás e, além do atendimento da ouvidoria ser péssimo, deram prazo de dez dias para uma solução. Mais de 20 dias se passaram e nada foi feito.

RODRIGO ALTAIR / SÃO PAULO

A Comgás informa que a recomposição da calçada da rua citada foi concluída em 24/8.

O leitor confirma: O problema foi resolvido dois meses depois!

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.