Projeto transforma residências em galerias

Voluntários exibem mostras de arte em suas casas; 1ª delas ocorre em Higienópolis

Maiara Camargo, O Estadao de S.Paulo

14 Março 2010 | 00h00

Ir a uma exposição e imaginar como as obras ficariam nas paredes de casa é comum entre os frequentadores de museus e galerias. Agora, a novidade são mostras que acontecem no interior da residência de voluntários.

A galeria virtual Invest.art iniciou no fim de fevereiro o projeto @Arte em Casa, que expõe trabalhos de jovens artistas em casas e apartamentos. A edição piloto do evento está em cartaz no bairro de Higienópolis, na zona oeste, e recebe visitas aos sábados, até o dia 27. A próxima ocupação está prevista para abril e deve ocorrer em três apartamentos simultaneamente.

A proposta é do idealizador da galeria, Tato DiLascio, de 26 anos. "@Arte em Casa tem o objetivo de proporcionar um conceito de vivência de arte que não é a do museu." A inspiração veio de iniciativas similares em cidades como Londres e Nova York e também do trabalho de artistas da pop art, a exemplo de Robert Rauschenberg e Andy Warhol. "O que fiz foi adaptar uma ideia antiga", afirma DiLascio.

A primeira mostra caseira tem 16 trabalhos do estudante mineiro de Artes Plásticas Duane Bahia Benatti, de 26 anos. Vinte peças foram espalhadas pelos 115 m² do apartamento do empresário Diogo Oliveira, de 39 anos. As obras, que trazem referências de literatura, cinema, música e paisagismo, são marcadas pela pluralidade de suporte.

Benatti passeia por pintura, foto, gravura e vídeo. Para criar os trabalhos, aproveita madeiras, molduras e o que mais achar de aproveitável no lixo. "A interação com o apartamento contribuiu para o trabalho. É diferente de expor em uma galeria. A montagem aqui fez surgir outra obra", diz o artista, que reuniu a produção pela primeira vez.

Os visitantes que chegam à exposição recebem um mapinha de visitação, mas, antes mesmo de entrar, é possível apreciar a obra Jacksons Five (tinta acrílica sobre papelão), que foi colocada perto da porta.

Do lado de dentro, o primeiro impacto é estar na casa de um completo estranho. Depois de uma olhadinha geral na aconchegante sala-cozinha, é hora de conhecer as obras. O passeio leva pelas paredes, corredores e cantinhos do apartamento do empresário.

A excentricidade da exposição parece estar animando os compradores. A maioria dos trabalhos expostos já foi vendida. "Fiquei surpreso", afirma Benatti. Para DiLascio, uma das razões do sucesso são os preços. "Aqui, dá para conversar, chorar. E, se for preciso, parcelamos o valor."

Antes mesmo da hora de desmontar a exposição, Oliveira já escolheu o que não quer ver sair pela porta. "Estou pensando seriamente em ficar com Lolita 1", diz. Sobre dividir sua casa com artista, galerista e público, garante que não atrapalhou em nada. "Como a montagem foi gradual, a casa foi se transformando. Nada foi chato, achei tudo legal", garante.

Desde que a exposição começou, artistas e voluntários demonstraram interesse no projeto. "Tem até gente do Rio e de Curitiba querendo abrir a casa para receber uma mostra", conta DiLascio. Quem se animar pode escrever para arteemcasa@invest.art.br para transformar a casa em galeria.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.