Projeto Pomar faz 12 anos com 700 mil mudas plantadas

Programa que quer recuperar as margens do Rio Pinheiros foi uma iniciativa do Jornal da Tarde, do Grupo Estado

O Estado de S.Paulo

24 de setembro de 2011 | 03h03

O projeto Pomar Urbano completou ontem, no primeiro dia da primavera, 12 anos de atividades com o objetivo principal de recuperar as margens do Rio Pinheiros. A iniciativa foi lançada em 1999, durante o governo Mario Covas (PSDB), pelo Jornal da Tarde, do Grupo Estado, e contou com empresas parceiras.

"Esse projeto se consolidou como uma eficaz parceria entre o governo do Estado e empresas da região. Agora, vamos melhorá-lo ainda mais", disse o governador Geraldo Alckmin (PSDB), durante a cerimônia, realizada na sede do projeto, na Marginal do Pinheiros, perto da Ponte João Dias, na zona sul da capital.

Em mais de uma década, o Pomar Urbano plantou 700 mil mudas, de 250 espécies nativas, em 26 quilômetros de margens do rio. Durante esse tempo, a sede também foi uma escola de jardinagem, onde cerca de 1,5 mil bolsistas aprenderam o ofício na Frente de Trabalho do projeto.

Agora, essa ação será retomada, e outros 40 profissionais serão formados nos próximos nove meses. Eles receberão bolsa de R$ 440 e dedicarão seis horas diárias de trabalho, quatro vezes por semana, às atividades na sede do programa. O quinto dia da semana será dedicado exclusivamente a atividades de capacitação profissional.

Homenagem. Na celebração ontem também foi inaugurado o Bosque dos Parceiros, onde cada uma das 24 instituições que colaboram com o Pomar Urbano está representada por uma árvore.

Outra homenagem foi o batismo de uma das trilhas da área da sede com o nome de "Tia América", como é conhecida América Vitória dos Santos, de 66 anos. Ela foi bolsistas da primeira turma da Frente de Trabalho e segue até hoje no Pomar como voluntária.

Para completar a comemoração, a Secretaria Estadual de Meio Ambiente lançou o livro Pomar Urbano, uma história de sucesso e anunciou o lançamento do novo site do projeto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.