Tiago Queiroz/AE
Tiago Queiroz/AE

Projeto põe cão obeso para fazer regime

Ração light e exercícios físicos fazem parte de tratamento oferecido por universidade da capital

Marici Capitelli, O Estado de S.Paulo

02 de agosto de 2011 | 00h00

JORNAL DA TARDE

Que eles são fofos, não resta a menor dúvida. Mas cachorro muito gordo pode ficar doente. Para ajudá-los a emagrecer com saúde e recuperar a qualidade de vida, a Universidade Santo Amaro (Unisa), na zona sul, está atendendo cães obesos.

A veterinária Viviani De Marco, professora da Unisa e responsável pelo projeto, afirma que um animal é considerado obeso quando está 20% acima do peso ideal. O índice de 15% é sobrepeso. Segundo ela, a obesidade aumenta a predisposição a ter problemas de saúde. "O cão pode ter diabetes, pressão alta, comprometimento da função respiratória, ficando muito ofegante. Há o risco de pancreatite, convulsão e de problemas ortopédicos", diz. A castração predispõe à obesidade, mas não é o principal motivo. A isso se associa uma alimentação errada, sedentarismo e muitos petiscos.

Durante o tratamento, os donos serão orientados a dar a quantidade certa de alimento e levar o cachorro para praticar atividades físicas. Os bichos vão receber ração light e serão submetidos a exame de sangue. Os donos de cães selecionados vão pagar R$ 30 uma única vez. "Vamos avaliar o perfil do proprietário para ver se ele vai fazer tudo certo para que o animal perca peso", afirma Viviani.

Na primeira consulta, o cão será pesado, medido e o dono vai ser entrevistado por dois alunos. "O que percebemos é que os donos ficam com pena do animal e dão o que eles pedem", diz Vitor Rafael Alves Pinto, aluno do 5.º ano e responsável pela entrevista. Os interessados em participar do projeto, que tem 30 vagas, devem mandar e-mail para projetoobesidade@hotmail.com.

A cadela Rose é um exemplo: com sete anos, ela pesa 33 quilos, quando o ideal pelo seu porte deveria ser 18 quilos. O excesso provocou problemas na coluna e ela precisou fazer acupuntura. A proprietária, a pedagoga Mirian Ayala, de 45 anos, não acredita que o problema seja a alimentação. "Ela come bem pouco", afirma.

PRESTE ATENÇÃO...

1. A ração não pode ser dada de maneira indiscriminada. Leia na embalagem as quantidades prescritas.

2. Não é necessário misturar frango ou carne à ração. Também preste atenção a petiscos e recompensas oferecidos ao animal.

3. Atividades físicas são fundamentais para evitar a obesidade nos cachorros. Procure sempre levá-lo para passear.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.