DANIEL TEIXEIRA/ESTADAO - TIRADA COM MOTO Z PLAY + HASSELBLAD
DANIEL TEIXEIRA/ESTADAO - TIRADA COM MOTO Z PLAY + HASSELBLAD

Projeto base da lei antipichação avança na Câmara de SP

Vereadores aprovam texto que será alterado para incluir multa a pichadores e restrição à venda de spray

Fabio Leite, O Estado de S. Paulo

10 Fevereiro 2017 | 21h23

SÃO PAULO - Os vereadores paulistanos aprovaram nesta sexta-feira, 10, em primeira discussão, o projeto base da lei antipichação que o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), quer implantar na cidade. Agora, o texto será alterado por um substitutivo do governo que prevê multa de R$ 5 mil para quem for flagrado pichando na capital e deve ser votado na próxima terça-feira.

A ideia, segundo o presidente da Câmara Municipal, Milton Leite (DEM), é incluir no mesmo projeto medidas que restrinjam a venda de de tintas spray na cidade, conforme o prefeito defendeu nesta sexta-feira. A proposta aprovada em primeira votação com 37 votos a favor e 3 contra (a bancada do PT não quis votar), foi apresentada em 2005 pelo vereador Adilson Amadeu (PTB) e prevê apenas a criação do "Disque-Pichação", uma central telefônica para receber denúncias contra atos de pichadores na capital. 

Na semana que vem, a gestão Doria deve enviar um texto substitutivo ao projeto original incluindo multas de R$ 5 mil a pichadores e de R$ 10 mil em caso de reincidência, além de cobrar o reparo do patrimônio danificado pela pichação. Desde o início da administração do tucano, em janeiro, mais de 60 pichadores já foram detidos pela Guarda Civil Metropolitana (GCM). Todos assinaram termo circunstanciado na delegacia e foram liberados em seguida.

 

 

A bancada do PT passou a tarde tentando obstruir a tramitação do projeto antipichação alegando que era preciso aguardar uma audiência pública marcada para a próxima terça-feira e o envio do substitutivo do governo. "Não dá para aprovar um projeto desse no afogadilho, sem sequer conhecer o teor do substitutivo", disse o líder do PT, Antonio Donato. Os petistas apresentaram três substitutivos ao projeto de lei do vereador Adilson Amadeu, mas todos foram rejeitados no congresso de comissões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.