Projeto ainda avança com pontas desamarradas

Animado com a popularidade alcançada com o Mais Médicos, o governo agora se cerca de cuidados para que a execução do programa não coloque tudo a perder. Encomendado há mais de um ano pela própria presidente Dilma Rousseff, o Mais Médicos ficou por um longo período em ritmo de espera, com várias pontas desamarradas, que tiveram de ser ajustadas às pressas depois das manifestações de junho. Até agora, o calendário apertado e desarranjos no planejamento para recrutamento de profissionais estrangeiros e brasileiros não prejudicaram o governo. A adesão ao programa foi baixa. Dos médicos brasileiros, apenas 47% se apresentaram para o trabalho.

CENÁRIO: Lígia Formenti, O Estado de S.Paulo

12 de setembro de 2013 | 02h05

Diante de problemas operacionais, a saída foi criar, na última hora, uma semana de acolhimento. Um período que serviria para que profissionais estrangeiros ganhassem maior familiaridade com a rede de assistência onde vão atuar. Mas essa folga representa também um respiro para que problemas sejam resolvidos, desde os estruturais até o registro dos profissionais.

Os médicos formados no exterior vão receber uma licença especial para atuação. Sem esse documento, não há como trabalhar. Entidades médicas resistem em conceder essa licença, travando em vários pontos do País uma batalha jurídica. O governo exibe um placar amplamente favorável: apenas uma liminar, concedida pela Justiça do Ceará, liberou o conselho de classe do Estado a conceder o registro. Ontem, o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, afirmou mais uma vez haver segurança jurídica na concessão desse documento.

Mais conteúdo sobre:
Mais Médicos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.