Programação segue até as 18 horas de hoje

Por todo o centro, evento faz homenagens ao samba, dedica palco ao reggae, traz diva da soul music e jazz frevo

O Estado de S.Paulo

18 Maio 2014 | 02h00

A 10.ª Virada Cultural de São Paulo continua até as 18h de hoje com extensa programação. Como já virou costume, as manhãs e tardes de domingo têm um cenário diferenciado. Em contraste com as multidões que tomam as ruas das 18h de sábado até por volta das 5h de domingo, o nascer do sol atrai um público renovado e mais tranquilo, que sai de casa cedo.

O palco principal, armado perto da Estação Julio Prestes, terá, às 6h, show do Teatro Mágico. O fenômeno de internet, que lota casas como o Credicard Hall (para 5 mil lugares) só com posts nas redes sociais, vai poder testar a força de seu carisma.

Na sequência, Pepeu Gomes aumenta o volume no mesmo palco, seguido por shows do grupo de rap RZO, que se reencontra depois de um período de inatividade, e Luiz Melodia, a partir das 15h. O palco principal ainda responderá pelo encerramento, com uma das poucas atrações internacionais da Virada. A cantora de soul da era Motown Martha Reeves, que se apresenta com o grupo The Vandellas.

O rap vai acordar também o palco República. É por lá que se apresenta, a partir das 8h, a dupla Dexter e MV Bill. É um encontro poderoso, com o melhor rapper de São Paulo do momento, Dexter, e uma das vozes mais coerentes do Rio, o carismático MV Bill. Dexter participa ainda do Projeto Nave, que permanece no mesmo palco, a partir das 10 horas. É um coletivo de MCs, com Marechal, KL Jay (Racionais), Síntese e Ogi.

Evinha. A pujança dos graves deixará o palco para a calmaria de Evinha, de 62 anos, e seu Trio Esperança. Foi como integrante do trio que, em 1968, Evinha ganhou o 4.º Festival Internacional da Canção com Cantiga por Luciana. Tornou-se um hit e fez a carreira de Eva ganhar vida própria, fora do Trio Esperança.

O encerramento, depois de um show de Dom Paulinho no mesmo palco, é com o grande destaque do dia: a Spok Frevo Orquestra traz à República a categoria da mais autêntica manifestação de MPB saída de Pernambuco nos últimos 10 anos. Sob comando do saxofonista Spok, essa big band de frevo instrumental, com concertos marcados para o Lincoln Center, faz uma rara aparição em São Paulo, com o disco Ninho de Vespa.

Já o palco do Largo do Arouche segue em sua festa de baile popular. Às 9h, tem Marcio Greyck; às 11h30, Falcão; e às 13h30, Broa na Garoa, com Felipe Cordeiro, Lia Sofia e Lue convidando Manuel Cordeiro, Dona Onete e Fafá de Belém. Mais populares, Valesca Popozuda faz show às 16h e Roberta Miranda encerra às 18h.

Samba. Dois espaços fazem homenagens ao samba. O Palco Luz tem, a partir das 9h, Almir Guineto. Vem depois a instituição mangueirense Nelson Sargento, com sambas como Agoniza Mas Não Morre, Deixa e Mar de Lágrimas, e a nova guarda Teresa Cristina. O samba de São Paulo volta ao palco com Eliana de Lima, às 15h, e com o trio Amigos do Pagode 90, com Chrigor Lisboa (ex-Exaltasamba), Salgadinho (ex-Katinguelê) e Marcio Art (que foi do Art Popular).

As famílias com crianças pequenas têm uma oferta maior nesta Virada. Desde ontem, podem aproveitar a Viradinha Cultural na Praça Roosevelt.

No palco Barão de Limeira o reggae comparece desde a manhã, com Filosofia Reggae (8h), Jah I Ras (10h), Tribo de Jah (12h), Mato Seco (14h), Al Griffiths (16h) e Planta e Raiz (18h).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.