Profissional sai de férias e deixa receitas assinadas

Patrick Henrique Cardoso trabalhou 3 dias no Mais Médicos, viajou e foi exonerado a pedido da prefeitura de Novo Gama

MARÍLIA ASSUNÇÃO, ESPECIAL PARA O ESTADÃO, GOIÂNIA, O Estado de S.Paulo

14 Setembro 2013 | 02h00

O médico Patrick Henrique Cardoso, que tirou férias três dias depois de começar a trabalhar no Mais Médicos em Novo Gama (a 177 km de Goiânia), deixou assinadas receitas de remédios controlados, os chamados tarjas pretas, antes de viajar para os EUA, onde está. O episódio ocorreu em Valparaíso de Goiás (a 184 km de Goiânia). Uma receita com assinatura de Cardoso teria sido preenchida por uma médica amiga dele.

Na data da receita consta o dia 9 de setembro, mas nem no Brasil ele estava. O médico está viajando desde o dia 6, como comprovam fotos postadas no perfil dele no Facebook, em aeroportos e hotéis durante a viagem aos Estados Unidos.

Uma médica amiga de Cardoso, cujo número de inscrição no Conselho Regional de Medicina (CRM) é do Distrito Federal, teria assinado a receita. Ela não foi localizada pela reportagem.

Cardoso foi um dos três profissionais designados pelo programa Mais Médicos para Novo Gama. Dos três - todos brasileiros -, um desistiu e outra está trabalhando. Cardoso foi ao novo trabalho apenas três dias. Nesse curto período, foi escolhido para coordenar a estratégia de saúde da família no posto de saúde do setor Lunabel, uma das maiores unidades do município, que tem 20 postos. A média de atendimentos nesse PS é de 20 a 25 pacientes por dia.

Após aceitar a coordenação, Cardoso avisou que sairia de férias no dia 5. Por isso, foi excluído do programa a pedido da Secretaria Municipal de Saúde de Novo Gama. Natural de Ipatinga (MG) e formado na Universidade Federal do Espírito Santo, Cardoso não foi localizado pela reportagem.

Sem explicação. O secretário de Saúde de Valparaíso de Goiás, Walter de Matos Dutra, também não foi encontrado no gabinete ontem nem respondeu às ligações para explicar o que a médica fazia no lugar de Cardoso e por que a receita que ela deu para o paciente estava assinada por outro profissional. A reportagem tentou ainda ouvir a coordenadora do Programa Saúde da Família (PSF).

Um profissional ligado à área médica diz que é cada vez mais comum que médicos se ausentem do local onde deveriam estar em dias normais ou plantões e deixem blocos de receitas assinados. O objetivo seria evitar denúncias de pacientes que eventualmente ficassem sem medicamento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.