Profissional era experiente

Com quase 20 anos de trabalho em televisão, Gelson Domingos da Silva, que na manhã de ontem acabou filmando a própria morte durante tiroteio na Favela de Antares, foi contratado há dois meses pela Rede Bandeirantes para trabalhar na edição local do programa Brasil Urgente. Acumulava a nova função com o trabalho na estatal TV Brasil.

, O Estado de S.Paulo

07 Novembro 2011 | 03h02

Experiente em cobertura policial, o cinegrafista trabalhou por cinco anos no extinto programa Cidade Alerta, da Rede Record, onde começou a carreira como motorista.

"Ele amava essa profissão. Claro que tinha medo, mas ele vibrava quando fazia uma matéria boa. Não era só meu irmão mais velho, era um amigo. Cuidava da família toda, vivia dizendo para eu tomar cuidado no meu trabalho", contou o segurança Ricardo Domingos, de 34 anos, o caçula dos seis irmãos, ao chegar ao Instituto Médico Legal (IML), onde ontem aguardava a liberação do corpo do irmão.

"Infelizmente, vai ser mais um na estatística. Ele brincava com a gente que, se tivesse que morrer, preferia que fosse trabalhando", lamentou o repórter cinematográfico Milton Rocha, colega com quem ele convivia na TV Brasil.

Gelson era casado, tinha três filhos e duas netas./ L.N.L.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.