Professora é detida ao tentar entrar com 4 celulares em presídio

Mulher, de 48 anos, dava aulas de português e matemática aos detentos; ela disse ter sido ameaçada para entregar os aparelhos

Sandro Villar, Especial para O Estado

04 Dezembro 2014 | 16h16

PRESIDENTE PRUDENTE - Uma professora foi detida nesta quarta-feira, 3, ao tentar entrar com quatro celulares na Penitenciária de Pacaembu, no oeste paulista. A professora, de 48 anos, que não teve o nome revelado, pretendia entregar os celulares a presos que cumprem penas no presídio. Ela ensinava Matemática e Português aos detentos.

Agentes penitenciários impediram a entrada da mulher depois que ela passou pelo aparelho de raio X. Ela tirou os celulares dos bolsos e tentou escondê-los na sacola que portava. Os celulares chegaram pelo correio em dois pacotes. 

Levada para a delegacia, a professora contou que estava sendo ameaçada por um homem que ligava para seu telefone, exigindo a entrega dos celulares. O homem dizia saber, por exemplo, onde estudava a filha da professora.

Ela responderá em liberdade por entrada ilegal de celulares em presídio. A professora não ficará presa porque não existe a denúncia de que recebeu dinheiro para realizar o serviço, segundo a Polícia Civil de Pacaembu.

Proibição. A professora, que é da rede estadual de ensino, está proibida de entrar no presídio. A determinação é da Secretaria da Administração Penitenciária (SAP), que também solicitou a troca da professora nas aulas aos presos.

Mais conteúdo sobre:
São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.