Professora baleada por aluno deverá ser operada amanhã

Rosileide Queirós Oliveira vai operar a rótula esquerda devido a uma fratura ocorrida antes do incidente na escola

Solange Spigliatti, estadão.com.br

27 de setembro de 2011 | 10h32

SÃO PAULO - A professora Rosileide Queirós Oliveira, de 38 anos, baleada por um aluno, de 10 anos, na semana passada, em São Caetano do Sul, na Grande São Paulo, deverá passar por uma cirurgia ortopédica nesta quarta-feira, 28, segundo informações do Hospital das Clínicas, onde ela permanece internada

 

De acordo com o HC, a professora vai operar a rótula esquerda. No dia em que foi baleada, Rosileide caiu, machucando o joelho. Após exames, foi detectado uma fratura no local, que foi imobilizado.

 

A professora foi resgatada pelo helicóptero Águia da Polícia Militar e levada para o HC. Ela foi atingida na região posterior do lado esquerdo na altura do quadril e sofreu uma fratura na patela esquerda. Ela não corre risco de morte.

 

Versão. No dia da tragédia, um dos colegas de classe de D. chegou em casa e pediu aos pais que voltassem com ele à escola, porque precisaria contar o que sabia. Ele foi recebido por uma das seis psicólogas que trabalham no local e explicou que D. havia comentado que pretendia dar um susto na professora e que tudo não passaria de uma brincadeira.

 

"Em seguida, com medo das consequências, ele teria dado cabo da própria vida. É uma informação que a gente toma, mas é preciso checar primeiro. Vamos confirmar com a psicóloga esse relato, saber de quem e o que ouviu exatamente", afirma Lucy.

Segundo a delegada, a história foi contada pela diretora da escola, Márcia Gallo, durante o depoimento desta segunda, mas seria ainda "muito genérica", sem os detalhes necessários para traçar uma linha de investigação.

Mesmo assim, Lucy diz que a versão parece razoável. "Seria a hipótese mais plausível, por se tratar de um bom menino, sem problema com a professora. Dá a impressão de que o tiro pode ter sido acidental."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.