Medida beneficia lavouras que tiveram bombas de irrigação lacradas
Medida beneficia lavouras que tiveram bombas de irrigação lacradas

Produtores rurais terão crédito anticrise

Medida do governo vai beneficiar as lavouras do Alto Tietê que tiveram suas bombas de irrigação lacradas pelo DAEE

Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

15 Fevereiro 2015 | 02h03

O governo de São Paulo vai abrir uma linha de crédito especial para os produtores rurais da região do Alto Tietê que tiveram suas bombas de irrigação lacradas pelo Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE). O órgão, que gere os recursos hídricos do Estado de São Paulo, está vedando equipamentos que estão captando irregularmente água do Rio Tietê para ser usada na lavoura.

A medida provocou revolta entre os produtores de três cidades da região - Salesópolis, Biritiba e Mogi das Cruzes.

Acionados por eles, os prefeitos dos respectivos municípios se organizaram para pedir ajuda ao governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB). Na sexta-feira, o prefeito de Mogi das Cruzes, Marco Bertaiolli (PSD), levou a demanda ao tucano durante a primeira reunião do comitê da crise hídrica.

O grupo é formado pelos prefeitos da região metropolitana de São Paulo e foi criado por meio de decreto estadual no começo deste mês.

O governador determinou então que seja aberta uma linha específica de crédito de pequeno porte. Ainda não foram definidos os valores, mas os empréstimos terão juros subsidiados e pagamentos a longo prazo.

Os recursos sairão do Fundo de Investimento de Crédito Produtivo Popular do Estado de São Paulo, conhecido como Banco do Povo Paulista.

O programa de microcrédito, que foi implementado pelo governo do Estado de São Paulo em 1998, é administrado pela Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho (SERT). A coordenação do programa será do prefeito de Mogi das Cruzes e da Secretaria de Agricultura do Estado de São Paulo.

Além do Banco do Povo, também será acionado o Investe São Paulo. A Agência de Promoção de Investimentos e Competitividade é uma empresa privada de interesse público, vinculada por cooperação à Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação (SDECTI).

"Não podemos deixar os agricultores pararem em função da crise hídrica", diz Bertaiolli. O prefeito afirma também que os créditos serão usados na modernização de equipamentos de irrigação e na perfuração de poços artesianos.

"Vamos oferecer uma linha de crédito para dar mais eficiência (para os produtores rurais). Será mais especificamente no cinturão verde do Alto Tietê", diz o governador Geraldo Alckmin.

Pacote. O programa de financiamento faz parte de um pacote de medidas do governo estadual para reduzir o impacto da crise hídrica e tentar evitar o rodízio de água no Estado.

Além de um pacote de obras, o governo está fazendo campanhas e atuando nos condomínios para pregar o uso racional da água. Na sexta-feira, Alckmin instalou um comitê executivo para definir um plano de contingência em caso de rodízio na Grande São Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.