Produto tem brilho específico no contato com sangue

Produto tem brilho específico no contato com sangue

Uma das polêmicas que envolvem a perícia são as manchas de sangue encontradas no apartamento dos Nardonis. A defesa do casal tentou argumentar que o reagente utilizado para detectar as manchas não diferencia sangue de outras substâncias, como água sanitária, verniz ou nabo.

Rodrigo Burgarelli, O Estadao de S.Paulo

25 Março 2010 | 00h00

Segundo estudos publicados sobre o tema, o reagente chamado Bluestar - uma invenção de três professores franceses, utilizado por polícias de 90 países - pode de fato reagir a essas substâncias. No entanto, os cientistas apontam que a reação tem características diferentes dependendo do material - argumento repetido pela perita Rosângela Monteiro na sessão de ontem. No caso do sangue, há uma luminescência azul que dura cerca de 30 segundos. Já com água sanitária, por exemplo, o brilho é branco e dura menos tempo. Nabo e banana também podem reagir, mas a duração é maior, mais intensa e também mais esbranquiçada. /

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.