Procurador quer trazer o caso para a Justiça brasileira

Na época do acidente, as investigações ficaram totalmente a cargo do órgão francês - o Cenipa alegou que o voo da Air France caiu em "águas internacionais", além de a empresa não ser brasileira. Hoje, dois anos depois, os familiares ainda tentam trazer o caso para a Justiça brasileira, sem sucesso. "Já fizemos duas audiências entre Ministério Público e juízes franceses. Pedimos que todos os documentos referentes à investigação tivessem uma cópia encaminhada para cá. Informalmente, fomos avisados de que isso não aconteceria", disse o procurador da República em Pernambuco Anderson Vagner dos Santos.

Nataly Costa, O Estado de S.Paulo

30 Julho 2011 | 00h00

Dois inquéritos já foram instaurados, em Pernambuco e no Distrito Federal. Santos encaminhou um ofício para a Procuradoria Geral da República em Brasília para que intercedesse no Supremo Tribunal Federal - o único que pode pedir à Presidência a ação brasileira nesse processo. O caso continua parado no Judiciário. "A aeronave saiu do Brasil, brasileiros morreram e a empresa continua a operar aqui. É fundamental que o País tenha participação ativa nessa investigação."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.