Processo não mobiliza mais como no início

Do primeiro julgamento, em abril de 2013, até a última audiência em março, o júri do massacre do Carandiru esvaziou. Na plateia, quase só se viam advogados e curiosos de passagem sentados em um plenário com capacidade para 230 pessoas, praticamente desocupado. Até familiares dos réus foram recomendados a não comparecer. Mesmo Organizações Não Governamentais (ONGs) ligadas ao sistema carcerário mostraram desinteresse.

O Estado de S.Paulo

31 Março 2014 | 02h01

"É como você colocar em julgamento os soldados que vão para a guerra e os mandantes ficarem totalmente fora de qualquer punição", diz o padre Valdir João Silveira, da Pastoral Carcerária Nacional. "Não adianta punir os policiais se a estrutura que criou a política violenta da época é mesma que se mantem no poder."

Segundo ele, entidades de direitos humanos ligadas à Rede 2 de Outubro estão mais interessadas em um sistema de Justiça restaurativa, em que o agressor participa do processo de reparação do dano da vítima e reconhece o erro. "Fomos convidados pelo o Ministério Público para participar do julgamento, mas não tínhamos interesse."

Para o promotor Márcio Friggi, "é natural que as pessoas percam o interesse no processo ao longo dos anos." A baixa mobilização chamou a atenção da diretora do Human Rights Watch no Brasil, Maria Laura Canineu. "Não entendemos o que houve. Conversamos com outras entidades, mas elas não quiseram comparecer. Parece que esfriou." / L.B.F.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.