RENATO S. CERQUEIRA/FUTURA PRESS
RENATO S. CERQUEIRA/FUTURA PRESS

Problema em radar afeta funcionamento de aeroportos em São Paulo

Falha comprometeu operações durante a manhã, mas situação foi normalizada ao meio dia; de acordo com a FAB, instabilidade foi causada por 'transição do fornecimento de energia elétrica do abastecimento comercial para o do gerador próprio'

Paula Felix, O Estado de S. Paulo

20 Julho 2018 | 12h13
Atualizado 20 Julho 2018 | 22h03

SÃO PAULO - Pousos e decolagens no Aeroporto de Congonhas, na zona sul da capital, no Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, e no Aeroporto de Viracopos, em Campinas, foram afetados por um problema técnico em radar na manhã desta sexta-feira, 20.

Em nota, o Centro de Gerenciamento da Navegação Aérea (CGNA) informou que ocorreram instabilidades no sinal do radar da Área de Controle Terminal de São Paulo (APP-SP).  Também em nota à imprensa, a Força Aérea Brasileira (FAB) informou que as instabilidades na visualização por radar foram causadas pela "transição do fornecimento de energia elétrica do abastecimento comercial para o do gerador próprio".

Segundo a FAB, as instabilidades foram registradas às 23h30 de quinta-feira, 19 e às 4h30 e às 10h30 de sexta-feira, 20, afetando a APP-SP e tornando necessárias as "medidas para regularizar o fluxo de tráfego aéreo" tomadas pela CGNA.

"Todas as ações tomadas visam restabelecer a normalidade das operações, sempre com foco na manutenção de um elevado nível de segurança", informou a FAB. A nota destacou ainda que uma das medidas adotadas seria a ampliação do horário das operações dos aeroportos Santos Dumont (RJ) e Congonhas (SP) na sexta-feira e que "em nenhum momento a segurança de voo foi comprometida". 

A Aeronáutica alega que não há relação entre o problema envolvendo o fornecimento de energia elétrica ocorrido na sexta-feira e a instabilidade registrada no dia 16 de junho, quando uma das placas de telecomunicações precisou ser substituída.

O CGNA disse que adotou "ações de contingenciamento de fluxo entre as aeronaves para pousos e decolagens na área de São Paulo" e que as medidas foram ampliadas para os voos que tinham a região como destino.

"Todas as medidas necessárias têm sido tomadas com o objetivo de manter o elevado nível de segurança das operações, com o menor impacto possível para os passageiros". 

De acordo com a Infraero (Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária), as operações não foram totalmente suspensas no Aeroporto de Congonhas, mas ficaram "mais espaçadas" em dois momentos: entre 4h29 e 5h20 e das 10h46 às 11h32. O funcionamento já foi normalizado, segundo a estatal.

No aeroporto de Cumbica, houve registro de falha das 10h50 às 11h40 da manhã desta sexta, comprometendo as operações.

O GRU Airport informou que "recebeu 84 voos atrasados de outros aeroportos e oito chegadas foram canceladas. No intervalo entre 0h e 13h, 86 partidas apresentaram atrasos acima de 30 minutos e três foram canceladas." Entre 12h e 13h, seis decolagens atrasaram. A situação foi normalizada.

A falha também afetou as operações do aeroporto entre 23h15 e 0h24 e das 4h03 às 5h20.

No Aeroporto de Viracopos, a pane ocorreu entre 10h50 e 11h30 fez com que quatro voos fossem cancelados e 40 voos atrasaram. O aeroporto funciona normalmente.

No mês passado, uma falha em radar afetou o funcionamento dos aeroportos de Congonhas, Cumbica e Viracopos, causando atrasos em voos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.