Privatizado, ecoponto recebe mais lixo

Após Prefeitura passar a coleta para duas concessionárias, média mensal de descarte sobe 50%, de 19 mil m³ para quase 29 mil m³

FELIPE TAU, TIAGO DANTAS / JORNAL DA TARDE , O Estado de S.Paulo

13 Abril 2012 | 03h03

A quantidade de lixo deixada nos ecopontos de São Paulo cresceu, em média, 50% entre 2011 e 2012, segundo a Prefeitura. Em dezembro, os equipamentos passaram a ser administrados por duas empresas privadas. O crescimento é atribuído à alteração do horário de funcionamento dos pontos, que agora abrem aos domingos, à frequência maior de limpeza dos locais de coleta e ao endurecimento da punição para quem é flagrado ao jogar entulho na rua.

Atualmente, a cidade tem 51 ecopontos. Neles, a população pode despejar até 1 metro cúbico de entulho, madeira, móveis velhos, galhos e folhas de árvores, além de materiais recicláveis, como metal, plástico, papel e vidro. Segundo a Secretaria Municipal de Serviços, até o fim deste ano, outras 41 unidades estarão prontas ou prestes a serem entregues para a população.

No ano passado, foram levados para os ecopontos 19 mil m³ de entulho por mês, em média. Entre janeiro e março, a média subiu para 28,5 mil m³.

A concessionária Inova, responsável pela administração de 26 equipamentos e pela varrição na região noroeste da cidade, informou que recebeu 12 vezes mais entulho em março, em comparação com dezembro. A empresa assumiu os ecopontos em 18 de dezembro. O volume saltou de 257 toneladas para 3.260.

"A tendência é que esses números cresçam ainda mais com as medidas de conscientização que são realizadas e com as campanhas de educação ambiental", informou o consórcio Inova, por meio de nota.

A Soma, que administra 25 ecopontos e faz a varrição nos bairros da região sudeste da capital, confirmou que notou um aumento na procura pelos pontos, mas não informou números.

Domingo. No ecoponto Santa Cruz, na Saúde, zona sul, usuários comemoraram o fato de o local ficar aberto no fim de semana. "O pessoal, em geral, deixa para fazer reforma no sábado e no domingo. Antes, você passava aqui e estava fechado justamente nesses dias. Aí, o povo acabava largando os sacos de entulho na rua", disse o contador Evandro Moreira, de 41 anos, que levou um saco cheio de lixo para descarte ontem à tarde.

No Parque Peruche, zona norte, o pedreiro Lourenço da Silva Santos, de 31 anos, disse que já chegou a ouvir de um funcionário do ecoponto que não poderia deixar seu lixo lá porque o local estava cheio. "Vejo o caminhão vir buscar entulho a toda hora. Então, fica mais fácil para a gente que precisa deixar o lixo aqui direto", afirmou o pedreiro.

Multa. A Prefeitura alegou que outro motivo para o aumento da procura pelos ecopontos é o reajuste da multa para quem é flagrado jogando entulho na rua - em 2010, o valor da infração passou para R$ 13 mil. Com isso, segundo a administração, o volume de entulho recolhido abandonado nas ruas caiu de 2,4 mil toneladas por dia, em 2009, para 1,5 mil toneladas por dia em 2011.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.