Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Prisão preventiva do casal Nardoni deverá ser pedida nesta 3ª

Arma que feriu a testa da menina não foi encontrada; suspeita recai sobre chave do apartamento

Bruno Tavares e Marcelo Godoy, de O Estado de S. Paulo,

28 de abril de 2008 | 23h51

A Polícia Civil planeja encaminhar na terça-feira, 29, à Justiça o inquérito número 301/08, sobre a morte de Isabella Nardoni. No relatório, os delegados Calixto Calil Filho e Renata Helena da Silva Pontes, do 9º DP, devem incluir pedido de prisão preventiva do casal Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá, indiciados por homicídio doloso triplamente qualificado.   VEJA TAMBÉM Donos de imóveis lucram com reconstituição  'Há mais que indícios' contra o casal, diz promotor Fotos do apartamento onde ocorreu o crime  Cronologia e perguntas sem resposta do caso  Tudo o que foi publicado sobre o caso Isabella     O promotor Francisco Cembranelli deve anunciar na próxima segunda-feira se denuncia ou não o pai e a madrasta de Isabella, cujo assassinato completa um mês nesta terça. Cembranelli disse que possui elementos para oferecer a denúncia contra o casal e deve aceitar o pedido de prisão preventiva. Após a denúncia, caberá ao juiz do 2º Tribunal do Júri da Capital, Maurício Fossen, aceitá-la ou não.   Investigadores ouviram mais de 65 pessoas. Mas as principais provas contra os acusados estão nas 83 páginas do laudo final elaborado pelo Núcleo de Crimes Contra a Pessoa do Instituto de Criminalística (IC). O Estado teve acesso à íntegra do documento que colocou Nardoni na cena do crime. Além de confirmar a tese da acusação, fotos dão idéia do sofrimento de Isabella. Na folha 31, peritos apontam manchas de sangue no corredor e no batente da porta do quarto dos irmãos. Os vestígios se concentram na altura da maçaneta, sinal de que a garota pode ter sido sacudida.   O IC detectou digitais moldadas em sangue semelhantes a dedos de uma "pequenina mão". No lençol do quarto dos meninos foram encontrados sinais de sangue de uma mão infantil. Como a origem é controversa, os peritos preferiram não atribuí-la a ninguém. Mas a suspeita é de que seja a mão de Pietro, de 3 anos. "Os legistas não encontraram sangue nas mãos da vítima e não havia sinais de que tinham sido limpas antes de ela ter sido jogada", disse um perito.   A defesa não definiu se vai pedir habeas-corpus preventivo para evitar a possível prisão do casal. Rogério Neres de Sousa, um dos advogados, disse que, se o casal for denunciado pelo Ministério Público, a defesa questionará a investigação. "Todas as provas periciais e depoimentos podem ser submetidos ao crivo do contraditório", afirmou.   Nesta segunda, a polícia apresentou as chaves do apartamento e do Ka de Alexandre, apreendidas no início das investigações. Há a suspeita de que uma delas teria sido usada para ferir a testa de Isabella. Os peritos simularam a agressão com a chave tetra do apartamento e concluíram que o ferimento é compatível.   Na época da morte, a defesa afirmou que Anna havia perdido a chave do apartamento dias antes do crime. O objeto que feriu Isabella não foi encontrado. A chave apresentada era a cópia que a família fez após a suposta perda.   Pesquisa   A pesquisa CNT/Sensus divulgada nesta segunda mostra que o caso desperta mais interesse da população do que as investigações da CPI dos Cartões. Na sondagem, 98,2% dos entrevistados disseram que têm acompanhado ou ouviram falar do crime, enquanto 57,9% falaram o mesmo sobre a CPI.   (Colaboraram Carina Flosi e José Dacauaziliquá, do Jornal da Tarde.)

Tudo o que sabemos sobre:
caso Isabella

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.