Prioridades na USP

DEMOLIÇÃO DE MURO X ILUMINAÇÃO

O Estado de S.Paulo

26 de dezembro de 2012 | 02h02

A demolição do muro da raia olímpica da USP para fazer uma grade vai exigir recursos não desprezíveis. Isso é óbvio por vários fatores: a extensão do trecho; a necessidade de a grade ser robusta e ter outros recursos de segurança; sua manutenção contínua; e a retirada do lixo que vai parar na raia. Considerando que o muro está em perfeito estado, pergunto: por que esta obra é prioritária em detrimento da execução do projeto de iluminação da Cidade Universitária? Essa verba poderia ser aplicada para executar parte do projeto de iluminação da USP, que é, certamente, mais importante e útil. Se o muro for derrubado, ficará comprovada a intenção do governo e da reitoria da USP em manter a Cidade Universitária às escuras, justificando a presença da Polícia Militar no câmpus.

GABRIELLA RINALDI / SÃO PAULO

A USP, por meio de sua assessoria de imprensa, informa que serão feitos estudos de viabilidade técnica quanto à substituição do muro pela grade. Não há, portanto, definição nem previsão para a substituição. Sobre o projeto de iluminação, o processo de licitação para instalação do novo sistema está em andamento, com data de abertura de envelopes marcada para 18/1 e instalação gradativa prevista até 2014.

A leitora lamenta: Depois de mais de um ano e meio do assassinato de um estudante, ainda não foi tomada nenhuma providência quanto à iluminação. Sobre a derrubada do muro, a ideia é tão absurda que não merece o tempo perdido com estudos de viabilidade - esse tempo precioso deveria ser empregado para procurar soluções de problemas bem mais importantes.

TERRENO EM INTERLAGOS Calçada em mau estado

Como já relatei à Coluna em outras ocasiões, sou morador de Interlagos e ao lado da minha casa há um terreno vazio, murado e com portão. Uso cadeira de rodas e, constantemente, enfrento problemas com a falta de calçada acessível para transitar, sem falar do mato alto e da presença de pernilongos, baratas e ratos no local. Infelizmente, o proprietário do terreno só efetua a limpeza do espaço e o reparo da calçada mediante autuação da Prefeitura. Agora, mais uma vez, o mato está enorme, cheio de madeira velha, restos de construção e todo o tipo de lixo possível. Com isso, os insetos se multiplicaram e estão infestando as casas vizinhas.

PAULO SCARPELLI / SÃO PAULO

A Subprefeitura Capela do Socorro informa que, em vistoria realizada no dia 18/12 no local, foi constatado que o gramado do passeio cresceu desde a última vistoria, bem como a vegetação do lote. Como o proprietário informou que está providenciando novamente a limpeza da calçada e do mato do terreno, será realizada outra vistoria para constatar tais providências e, caso não esteja de acordo, será lavrado novo auto de multa. Esclarece que a administração não realiza os serviços em área particular, cabendo a atribuição ao proprietário ou responsável.

O leitor informa: No dia 20/12 o proprietário efetuou o corte da vegetação do passeio, mas manteve os restos no local. Ou seja, ele não efetuou a devida limpeza, o terreno continua na mesma situação.

JARDIM DA GLÓRIA

Oficina sem licença

Na Rua Brás Lourenço, n.º 70, no bairro Jardim da Glória, uma garagem residencial é utilizada como oficina, efetuando o conserto de carros e motos na rua. Os carros são deixados semidesmontados em todo o quarteirão, com muita sujeira e óleo na rua, impedindo e dificultando a passagem de pedestres. Efetuei a denúncia no site da Prefeitura há mais de um ano, sem nenhuma resposta ou solução. Tenho certeza de que os responsáveis não possuem licença de funcionamento, embora funcionem todos os dias da semana, inclusive aos sábados e domingos e em horários que se estendem até a madrugada, prejudicando o sono da vizinhança por causa do barulho das conversas e dos motores dos carros em conserto.

DETE FURLAN / SÃO PAULO

A Subprefeitura Vila Mariana

esclarece que, por não possuir Licença de Funcionamento, o

estabelecimento foi autuado e

intimado a encerrar suas atividades no prazo de 10 dias úteis.

A leitora reclama: Embora a subprefeitura tenha informado que a "oficina" foi autuada e que foi dado prazo de 10 dias para o encerramento das atividades, o local continua operando, principalmente à noite e nos fins de semana. E os carros e as motos desmontados ainda são deixados na rua. O prazo dado pela subprefeitura venceu e nada mudou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.