Prioridade deveria ser proteger cidadão e não atacar ''inimigo''

Quando se enfrenta uma situação em que há uma potencial tomada de reféns, ainda mais em um espaço confinado como um ônibus, a indicação é oferecer uma rota de fuga aos criminosos para evitar que eles, de fato, tomem reféns. Aparentemente, não foi isso o que aconteceu anteontem no Rio de Janeiro, quando a polícia tentou parar o ônibus de qualquer jeito, até mesmo com disparos.

Ignacio Cano, O Estado de S.Paulo

11 de agosto de 2011 | 00h00

Atirar contra um ônibus, mesmo que contra os pneus, é péssima ideia, pois pode deflagrar um tiroteio ou a execução sumária dos reféns por parte dos criminosos, que não saberão contra quem estão sendo efetuados os disparos iniciais e podem tomar represálias. Os problemas na ação são a falta de preparo dos policiais e a doutrina militarizada de confronto. A prioridade estabelecida é a derrota dos "inimigos", antes da proteção aos cidadãos.

Infelizmente, setores das polícias e da população do Rio provavelmente teriam reagido negativamente se os policiais tivessem facilitado a fuga dos suspeitos para evitar que eles tomassem reféns. Na visão militar, isso teria sido considerado como "fraqueza" ou "omissão", quando na verdade era o procedimento correto. Na verdade, o criminoso pode ser perseguido e preso em um outro momento, quando não oferecer resistência.

A prioridade deve ser sempre evitar danos aos possíveis reféns. Nesse sentido, é preciso uma mudança de doutrina que reoriente a intervenção da polícia para que ela esqueça a "guerra" contra o crime e reoriente suas prioridades para a pacificação e a proteção dos cidadãos. Os próprios policiais também terão o seu risco diminuído nesse novo cenário.

É PROFESSOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO (UERJ) E INTEGRA O LABORATÓRIO DE ANÁLISE DA VIOLÊNCIA

Veja também:

link PMs alvejaram ônibus e feriram reféns no Rio; cúpula da Segurança admite erro

link Entre os detidos está sobrinho de Beira-Mar

link 'Se PM não atirasse, minha mãe estaria em casa'

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.