Principal suspeito de mortes no Pq. dos Paturis se diz inocente

Sargento da PM alega que esteve fora do município no fim de semana, quando 14ª vítima foi achada morta

Camila Haddad, Jornal da Tarde

17 Março 2009 | 09h51

O sargento reformado da Polícia Militar Jairo Francisco Franco, de 46 anos, prestou depoimento na segunda-feira, 16, na Delegacia Seccional de Carapicuíba e alegou que esteve fora do município no fim de semana, quando Ivanildo Francisco Sales Neto, de 25 anos, foi encontrado morto no Parque dos Paturis. Sales Neto foi a 14ª vítima assassinada no parque. Segundo a polícia, o ex-PM é acusado de envolvimento nas execuções e responde por dois crimes no local.

 

Veja também:

lista Cronologia de homicídios no Parque dos Paturis

linkDelegacia especial vai investigar crimes

linkMais um jovem gay é encontrado morto

linkPM aposentado suspeito de matar 13 em Carapicuíba é solto  

 

"Temos outros nomes que não têm nada a ver com PMs, mas Franco continua sendo um dos suspeitos. Agora, vamos checar os álibis", afirmou o delegado Alexandre Sayão, responsável pelo Departamento de Polícia Judiciária da Macro São Paulo (Demacro). Na segunda à tarde, o secretário estadual de Segurança Pública, Ronaldo Marzagão, esteve em Carapicuíba e afirmou que o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) entrou no caso - além da Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi).

 

Para a polícia, a maioria das vítimas é homossexual e foi morta em série entre 2007 e agosto de 2008. "Não está descartada a hipótese de o crime ter sido cometido por um outro homossexual, com psicopatia, alguém que apresente crises por ser homossexual", acrescentou Sayão. Franco negou o tempo todo em que esteve na delegacia ser gay.

 

Na manhã de sábado, o corpo de Ivanildo foi localizado na região do parque com agressões causadas possivelmente por uma pedra. A família da vítima afirma que o rapaz era homossexual assumido. O Parque dos Paturis é conhecido justamente como ponto de encontro de gays. Eles se reúnem na parte mais escura do parque, conhecida como bosque. Ali, casais chegam a manter relações sexuais em locais isolados - como uma churrasqueira abandonada do espaço público.

 

O prefeito de Carapicuíba, Sérgio Ribeiro, disse que o parque teve a iluminação reforçada. Mas ainda seria necessário cercar a área verde com grades. "Temos feito orçamento da grade, mas não temos certeza se vamos ter esse recurso de imediato."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.