Principais ruas comerciais vão ter ''bico'' da PM

Kassab quer ampliar convênio em que policiais de folga trabalham no combate a ambulantes

Tiago Dantas, O Estado de S.Paulo

07 Agosto 2010 | 00h00

O número de policiais militares que fiscalizam o comércio ambulante da capital paulista durante a folga deve aumentar no próximo mês. O prefeito Gilberto Kassab (DEM) afirmou, ontem à tarde, que planeja aumentar o valor pago aos PMs pelo dia de trabalho da Operação Delegada (conhecida como "bico oficial") e expandir o programa para todas as ruas com comércio intenso.

Hoje, cerca de 4 mil policiais patrulham vias da Sé, no centro, Santana, zona norte, Santo Amaro e Vila Mariana, zona sul, Lapa e Pinheiros, zona oeste, e recebem R$ 113 por dia. A cidade tem cerca de 25 mil policiais militares que podem aderir à operação, que reduziu cerca de 37% a ocorrência de crimes de roubo e furto no centro, segundo a Secretaria da Segurança Pública.

A comparação é entre junho e julho de 2009 e 2010 nas Ruas Aurora, Santa Ifigênia e Timbiras. "A operação melhorou o comércio, trouxe mais segurança e tranquilidade para os consumidores", avaliou Kassab. "Vamos continuar sendo muito duros com o comércio irregular", disse o prefeito, sem revelar o nome de ruas que receberão o projeto.

"Os resultados da operação têm se mostrado muito eficientes", disse o governador Alberto Goldman (PSDB). "Se for acompanhado de operações urbanísticas e de saúde, pode mudar de vez regiões como o centro."

Informalidade. Outro objetivo da Operação Delegada é evitar que os PMs trabalhem como seguranças particulares. O "bico" não-oficial é proibido pela corporação. "(Na operação) o policial tem um complemento na sua renda, trabalhando fardado, armado e com segurança", afirmou o coronel Álvaro Batista Camilo, comandante-geral da PM.

Quem adere ao "bico oficial" pode trabalhar até dez dias por mês para a Prefeitura, em turnos de oito horas. Somados aos 15 dias em que entra na escala da PM, em turnos de 12 horas, o policial tem com cinco dias para ficar em casa.

Pelo menos outras 12 cidades do Estado procuraram a PM para fazer parcerias semelhantes, entre elas Santo André, São Caetano do Sul e Ribeirão Pires, no ABC paulista, Bertioga e Santos, no litoral, e Bauru e São José do Rio Preto, no interior. "As prefeituras precisam fazer leis que possibilitem a Operação Delegada, como São Paulo fez, e temos de ver se os policiais estão dispostos a trabalhar", diz Camilo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.