Primo de Bruno não pode depor por vídeo

Considerado testemunha-chave tanto pela defesa quanto pela acusação, o primo do goleiro Bruno Fernandes, Jorge Luiz Rosa, de 19 anos, foi impedido de depor por videoconferência, por decisão da juíza Marixa Rodrigues. Foi ele quem deu detalhes da suposta execução de Eliza Samudio. Ele está sob proteção e agora poderá ser ouvido no júri de Bruno, em Contagem, que começa na segunda-feira.

O Estado de S.Paulo

16 de novembro de 2012 | 02h05

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.