Primo confessa estrangular e matar menina de 12 anos na zona leste de SP

Menor foi encontrada pela vizinha com mãos e pés amarrados e com marcos no pescoço; Segundo a PM a garota e o primo tinham um relacionamento amoroso

Carolina Spillari, do estadão.com.br,

12 Julho 2011 | 23h04

SÃO PAULO - Uma menina de 12 anos foi estrangulada na região do Itaim Paulista, na Zona Leste de São Paulo, no final da manhã desta terça-feira, 12.

 

Menor foi encontrada morta no banheiro, com as mãos e os pés amarrados e marcas no pescoço, por uma vizinha que foi levar o almoço para ela, enquanto os pais tinham saído para trabalhar. A menina ainda tinha marcas de faca no pescoço.

 

O suspeito é o seu primo, 16, que na segunda-feira, 11, havia comprado uma passagem para ir a Recife e, segundo o tenente Lucas Cassiano da Polícia Militar (PM), foi até a casa da menor pela manhã para se despedir. Ele esperou os pais saírem para cometer o crime, explicou o tenente da PM.

 

De acordo com a versão do suspeito, ele tinha um relacionamento amoroso com a menina. Ela chegou a deitar no colo dele e ele disse que não queria, então, começou a apertar seu pescoço, amarrou pés, mãos e a estrangulou, contou o tenente Lucas que ouviu a confissão após o tio saber do crime e ir até a estação rodoviária atrás do garoto.

 

O tio soube do crime e foi até a Rua Uruguaiana, no Brás, atrás do menino. Pediu para ele descer do ônibus. Ele tinha em suas mãos a máquina fotográfica e o celular da garota. O tio tinha o apoio de viatura da PM, onde estava o tenente Cassiano. Em um primeiro momento ele negou o crime, mas depois confessou, contou o tenente.

 

Dentro da mala do garoto foram encontrados vários pertencentes da casa da vítima como videogame, DVD, roupas e joias. Dentro da bagagem ele ainda levava as armas do crime com vestígio de sangue. Na casa, a família ainda percebeu o furto de R$ 200.

 

O caso foi atendido pela 1ª Companhia da 29ªM da PM e está a cargo do 63º Departamento de Polícia.

Mais conteúdo sobre:
ViolênciaItaim PaulistaRecife

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.