Primeiro banco comunitário do País surgiu em 1998

No Jardim Maria Sampaio, no distrito do Campo Limpo, periferia de São Paulo, além das notas de real, já se tornou rotina usar uma moeda diferente, toda colorida, conhecida como sampaio e criada por um banco comunitário em parceria com a Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares. Desde outubro de 2009, ela circula no bairro - é uma das moedas sociais reconhecidas pelo Banco Central e criadas para fortalecer pequenos empreendimentos e fomentar a criação de trabalho e renda local. Todas seguem as mesmas regras: só podem ser usadas no comércio local e garantem descontos aos consumidores. "Eu fico muito mais feliz quando alguém vem me pagar com o sampaio, porque sei que está ajudando a comunidade", diz Rui Assunção, dono de uma empresa de informática.

Rodrigo Brancatelli, O Estado de S.Paulo

11 de agosto de 2011 | 00h00

O primeiro banco comunitário brasileiro foi o Banco Palmas, surgido em 1998 em Fortaleza. Em São Paulo, além do Jardim Maria Sampaio, outras quatro localidades têm suas moedas sociais. Entre elas está a apuanã, do Jardim Filhos da Terra, na zona norte.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.