PRF recomenda atenção às condições climáticas nas estradas

Defesa Civil divulgou que vários Estados do País estão em alerta devido à possibilidade de fortes chuvas

Agência Brasil ,

01 Maio 2009 | 17h00

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) recomenda que os motoristas dirijam com prudência ao pegar a estrada no feriado do Dia do Trabalhador. Segundo a assessoria da PRF, embora o movimento nesta sexta-feira, 1º, já seja menor que o de quinta, quando foi registrado um aumento de 30% em comparação aos dias normais, as condições climáticas em todo o País exigem atenção redobrada.

 

Veja também:

linkConfira o que abre e o que fecha no feriado de 1º de maio

 

A Defesa Civil divulgou que vários Estados estão em alerta devido à possibilidade de fortes chuvas, com o risco de deslizamentos de terra e a ocorrências de raios.

 

De acordo com o assessor de comunicação da PRF, Alexandre Castilho, esse período do ano exige cuidados extras dos motoristas, que têm que atentar para as condições climáticas. Na Região Nordeste, o problema são as chuvas fortes. No Sul, são os nevoeiros que afetam a visibilidade. Já nas regiões Sudeste e Centro-Oeste, a instabilidade climática, com chuvas repentinas, pode pegar de surpresa os motoristas.

 

"Esta época exige atenção e os motoristas não devem insistir em viajar com chuva forte, parando, se necessário, em postos ou locais abrigados ao longo das estradas, até que a chuva pare", recomendou Castilho.

 

De acordo com Castilho, a PRF vai divulgar um balanço na manhã de segunda-feira dos acidentes do feriado. A Agência Brasil checou, por telefone, a condição das estradas de alguns estados. Em São Paulo, segundo a Superintendência Regional da PRF, o tráfego, embora intenso, é considerado normal para um feriado. Há registros de acidentes sem mortes.

 

Há pontos de lentidão em vários pontos das estradas federais que cortam o Estado e a polícia pede que os motoristas conduzam com atenção, especialmente nas rodovias Régis Bittencourt, que liga a cidade de São Paulo a Curitiba (PR), e a Fernão Dias, de São Paulo a Belo Horizonte (MG).

 

No Rio Grande do Sul, estado com 5,5 mil quilômetros de rodovias federais, a segunda maior malha do país, atrás apenas de Minas Gerais, cerca de 15 mil veículos seguiram do interior em direção ao litoral Norte do estado ou às praias catarinenses.

 

A expectativa da PRF é de que mais 20 mil motoristas peguem a BR-290 ainda hoje. O movimento é considerado baixo quando comparado com o de outros feriados, como a Páscoa, quando em torno de 100 mil veículos seguiram para as praias.

 

Até o momento, já houve, nas estradas gaúchas, 53 acidentes, com duas mortes. Uma delas foi registrada em um acidente ocorrido ontem, na região metropolitana de Porto Alegre, quando um carro atropelou um ciclista. A outra foi a de um motociclista. O acidente envolveu um carro e a moto.

 

A PRF disse que é necessário ter atenção redobrada nas estradas que levam às serras gaúchas, às cidades de Gramado, Canela e proximidades, além de Santana do Livramento, todas muito procuradas por turistas. Estão escalados para trabalhar até o fim da operação de feriado, à meia-noite de domingo, 750 policiais.

 

Em Minas Gerais, o fluxo na BR-381, sentido Belo Horizonte-Vitória (ES), é intenso, exigindo muita atenção dos motoristas. Além disso, nas saídas para Brasília, Rio de Janeiro (BR-040) e São Paulo (BR-381), houve um aumento na quantidade de veículos desde o início desta manhã. Não há, no entanto, retenção do tráfego.

Mais conteúdo sobre:
Estradas Feriado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.