PRF muda feriado para maquiar nº de acidente

E-mail mostra que mudança no critério de comparação contrariou ordem de ministério e foi decidida pela Polícia Rodoviária na madrugada de 2ª

Paulo Saldaña,

27 de abril de 2011 | 00h36

A Polícia Rodoviária Federal mudou os critérios de divulgação dos acidentes nas estradas no fim do feriado da Semana Santa. A PRF levou em conta seis dias - incluindo a terça, dia 19 -, contrariando diretamente ordem de serviço do Ministério da Justiça.

Na madrugada de segunda, um e-mail foi encaminhado à central de informações operacionais, instruindo que os dados deveriam englobar a terça, em que não há trânsito. Na mensagem a qual o Estado teve acesso, há uma solicitação do chefe do Núcleo de Informações Operacional, Henrique Fontenelle Galvão dos Passos, que ainda determina que a comparação seja feita com o carnaval. Normalmente, a relação é com o mesmo feriado do ano anterior.

Os documentos que traçam as diretrizes para coleta e divulgação das ocorrências delimitam o período entre quarta e domingo. Esses papéis levam a assinatura do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo.

Considerando só o período entre quarta e domingo, registrou-se uma média 11% superior no número de mortes por dia em relação à Páscoa de 2010. A mesma comparação mostra alta de 15% na média diária de acidentes.

A PRF negou que houve objetivo de distorcer os dados. "Colocamos o dia 19 só para fins estatísticos, não traímos a determinação do Ministério. A quem pediu os dados, foi passado", disse o assessor de Comunicação da PRF, inspetor Alexandre Castilho. Segundo ele, essa decisão foi tomada na quarta, dia 20, e a comparação com o carnaval foi discutida há um mês. "Esse e-mail foi mandado aleatoriamente." A comparação realizada pela PRF, de acordo com Castilho, era a mais adequada por causa do maior fluxo de veículos, considerando também Tiradentes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.