SAP/Divulgação
SAP/Divulgação

Presos são flagrados com microcelulares no estômago no interior

Detentos da Penitenciária de Presidente Bernardes tiveram de ser hospitalizados; além dos telefones, exames de raio X detectaram fones de ouvidos, fios e maconha

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

13 Janeiro 2017 | 11h17

SOROCABA - Dois presos tiveram de ser encaminhados ao hospital depois de terem engolido dez microcelulares, na última quarta-feira, 11, na Penitenciária de Presidente Bernardes, no oeste paulista. Os equipamentos, incluindo fones de ouvidos e fios, foram detectados através de exames de raio X. A unidade fica ao lado do Centro de Readaptação Penitenciária onde estão presos, no Regime Disciplinar Diferenciado (RDD), as principais lideranças do Primeiro Comando da Capital (PCC), entre elas Marcos Willians Herbas Camacho, o Marcola. 

De acordo com a Secretaria da Administração Penitenciária (SAP), os detentos engoliram os objetos assim que teve início uma revista de rotina na unidade prisional.

Os microcelulares têm a dimensão da tampa de uma caneta e sua detecção na revista, durante a entrada das visitas, é mais difícil. Os detentos engoliram os aparelhos para evitar que fossem apanhados e submetidos a medidas disciplinares. 

Após os exames no hospital, eles foram medicados com laxantes para expelir os objetos. Um dos detentos eliminou seis microcelulares, quatro fones de ouvido e três pedaços de fio. O outro, além de quatro celulares e um fone de ouvido, expeliu duas porções de maconha.

No retorno à penitenciária, eles foram separados dos demais detentos e vão responder a processo disciplinar. Conforme dados da SAP, a apreensão de microcelulares passou de 10 em 2015 para 763 no ano passado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.