Presos mais 2 suspeitos de participar de assassinato em Limeira

Jovens foram presos na periferia da cidade; segundo polícia, eles confessaram a morte do comerciante Altair

Tatiana Fávaro, O Estado de S.Paulo

03 Dezembro 2008 | 18h44

A Polícia Civil de Limeira prendeu na manhã desta quarta-feira, 3, dois outros homens que confessaram participação na morte do comerciante Altair Aparecido dos Santos, de 44 anos, assassinado no dia 16 de novembro com um tiro no peito, após comemorar num churrasco o oitavo aniversário de seu único filho. Santos foi um dos 14 ganhadores de um prêmio de R$ 16 milhões da Mega-Sena em maio do ano passado. Veja também:Reconstituição do crime da Mega-Sena não ajuda investigaçãoLocal da morte de ganhador da Mega-Sena foi alterado, diz ICProblemas que a Mega-Sena traz aos ganhadores    Flávio Rodrigo Ferreira, de 19 anos, e um menor, de 17 anos, foram abordados em suas residências, no bairro Odécio Degan, periferia de Limeira, local no qual foi preso o primeiro suspeito, Diego Sebastião dos Santos, de 21 anos, na semana passada. Diego também confessou o crime, mas disse no último dia 25 que teria agido sozinho. Os três afirmaram à polícia terem agido por conta própria e negaram que o crime pudesse ter sido "encomendado". De acordo com o titular da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Limeira, João Batista Vasconcelos, o inquérito deve ser concluído em 20 dias. "Além de confessar com riqueza de detalhes a participação no caso, os dois outros presos confirmaram que a chácara de Altair foi escolhida aleatoriamente e que a intenção era de roubar o lugar", afirmou. Os três homens detidos pelos investigadores da DIG disseram se conhecer, mas desconhecer o fato de Altair dos Santos ser um dos ganhadores do prêmio da Mega-Sena. "As versões batem. A única coisa que não bate é quem deu o tiro. Diego assume, Flávio fala que foi o menor e o menor fala que foi o Diego", afirmou o delegado.  Diego dos Santos e Flávio Ferreira estão presos na cadeia da Delegacia Seccional de Limeira. Santos estava foragido do presídio Professor Ataliba Nogueira, em Campinas, onde cumpria pena por dois processos por roubo. Ferreira já foi interno da Fundação Casa (antiga Febem), por roubo e teve nesta quarta-feira sua prisão temporária de 30 dias decretada pelo titular da DIG. O menor preso ontem também passou pela Fundação Casa, para onde deverá ser encaminhado novamente. O delegado disse que os três homens serão indiciados por latrocínio. Vasconcelos afirmou não julgar necessário ouvir novamente a família da vítima. "As declarações foram coerentes com a primeira versão e convincentes. Estamos convencidos de que o trio foi responsável pelo crime." Os três homens detidos afirmam ter se desfeito da arma que matou Santos, um revólver calibre .32, que teria sido jogado num matagal próximo à residência da vítima. A arma não foi encontrada.

Mais conteúdo sobre:
violênciaMega-SenamorteLimeira

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.