Presos ladrões de carga que também roubariam casas no Morumbi

Bando, detido na Raposo Tavares, teria sido recrutado por assaltante que tortura vítimas no bairro da zona sul de SP

GIO MENDES / JORNAL DA TARDE, O Estado de S.Paulo

25 Novembro 2011 | 03h02

Seis ladrões de cargas são investigados por envolvimento com uma quadrilha que assalta casas e condomínios na região do Morumbi, zona sul de São Paulo. A Polícia Civil acredita que o bando, preso ontem durante uma operação do Departamento de Investigações sobre o Crime Organizado (Deic) no Butantã, zona oeste, havia sido recrutado por Emerson Rodrigo Rezende dos Santos, de 27 anos, o Dudu, assaltante que tortura as vítimas durante os roubos de residências. Os ladrões de carga fizeram contatos por telefone com Dudu no começo deste mês.

Segundo o delegado Eduardo Gobetti, titular da 3.ª Delegacia de Repressão a Estelionato do Deic, a quadrilha de ladrões de cargas era monitorada há um mês. "Estamos apurando a participação dessa quadrilha nos assaltos praticados pelo Dudu. Vamos chamar vítimas de roubos de condomínios para ver se elas identificam esses assaltantes", disse Gobetti. Dudu é procurado pela polícia por 11 roubos de casas e por um arrastão em um condomínio ocorridos neste ano no Morumbi.

"Certamente eles poderiam dar apoio nesse tipo de crime, pois além de fuzis, apreendemos pés de cabra com o bando, material usado para arrombar portas de imóveis", afirmou o delegado.

A Polícia Civil prendeu o grupo em um estacionamento na Rodovia Raposo Tavares, no final da manhã de ontem. "Eles estavam reunidos no local planejando o próximo roubo de carga", disse Gobetti. Com o bando foi apreendido um bilhete que trazia a relação de cinco caminhões, com as respectivas placas dos veículos e o tipo de carga que carregavam. "Eles tinham preferência por carga de eletroeletrônicos", afirmou o delegado.

Quatro investigadores entraram no estacionamento após seguir um dos carros do bando, um Honda City prata. Eles abordaram os ocupantes do veículo, mas os criminosos tentaram reagir. Os policiais atiraram e os ladrões se renderam. Os comparsas que já estavam no estacionamento não tiveram tempo de pegar as armas que estavam em outros dois carros: quatro fuzis calibre 223, dois deles com mira telescópica, e duas pistolas, uma calibre 380 e uma 9mm. Oito coletes à prova de balas foram apreendidos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.