Presos dois suspeitos de cavar túnel para assaltar banco

Dois homens foram presos ontem nas margens de um córrego na região central de São José dos Campos, a 90 quilômetros da capital. A dupla é acusada de integrar a quadrilha que estava construindo um túnel, havia três meses, para assaltar um banco. O plano do bando era chegar aos cofres de uma agência do Banco do Brasil hoje, quando a seleção enfrenta Portugal pela Copa do Mundo. Mas a tentativa foi frustrada pelos policiais, que descobriram o túnel na última quarta-feira.

Leandro Calixto, O Estado de S.Paulo

25 de junho de 2010 | 00h00

Identificado pela polícia como Samuel, o primeiro suspeito foi preso ontem por volta das 10 horas. O homem estava debilitado porque teria passado muito frio ao longo da madrugada enquanto se escondia da polícia em uma galeria pluvial. Ele estava com hipotermia.

"Como teve medo de sair do túnel, ele resolveu passar a noite na galeria. Mas, quando saiu, um grupo de policiais o prendeu nas margens de um córrego próximo ao túnel que estava sendo escavado", disse o capitão Marcelo de Oliveira Garcia, do 1.º Batalhão da Polícia Militar de São José dos Campos.

O suspeito foi levado para o Pronto Socorro da Santa Casa da cidade. No caminho, ele conversou rapidamente com os policiais e teria admitido que estava participando do grupo que escavava o túnel. "Disse que a função dele era apenas retirar a terra e que foi pago para fazer a tarefa", completou o capitão.

Samuel também teria dito que durante o período em que trabalhou para a quadrilha tinha conversado apenas com três homens, sempre armados.

Segunda prisão. Por volta das 16h30 de ontem, o segundo suspeito foi preso nas margens do mesmo córrego. Para a polícia, o homem também teria ficado na galera pluvial desde quarta-feira tentando fugir. Com essas duas prisões, a polícia espera chegar aos comandantes da quadrilha.

Até ontem, a polícia não havia informado se o sobrado de onde o túnel era escavado foi comprada ou alugado.

Ação. O major da Polícia Militar Nilson Souza Silveira disse que a perfuração do concreto para chegar aos cofres resultaria em muito barulho, que poderia ser abafado pelos sons da torcida do jogo do Brasil.

No local visado pela quadrilha funcionam duas agências do Banco do Brasil ? uma delas é distribuidora de recursos do Banco Central para outros bancos.

A partir do primeiro túnel, as equipes percorreram toda a rede de galerias pluviais. Na esquina entre as Ruas Dolzani Ricardo e Antônio Sais, uma nova ligação foi encontrada, do mesmo tamanho da primeira. O segundo túnel seguia até uma residência de classe média.

Na casa, todas as paredes tinham isolamento acústico. Ali foram encontrados quatro fuzis israelenses, três pistolas 9 mm, uma calibre 45, munição e skates para transportar a terra pelo túnel. Um dos quartos estava tomado por sacos com terra.

Não havia ninguém no local na hora da ação da polícia, na quarta-feira. Apenas um homem foi detido nas proximidades, mas foi liberado logo depois, por não ter relação com o bando. / COLABOROU JULIA BAPTISTA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.