Reprodução
Reprodução

Preso suspeito do assassinato de supervisora

Vanessa foi dominada por dupla quando deixava a casa do noivo; outro acusado, que segue foragido, morava a 550 metros da residência da família

William Cardoso, O Estado de S.Paulo

23 de agosto de 2011 | 00h00

A Polícia Civil anunciou ontem a prisão e o indiciamento de Ronaldo Souza da Silva, acusado de participação na morte da supervisora de vendas Vanessa de Vasconcelos Duarte, de 25 anos, no dia 12 de fevereiro, em Vargem Grande Paulista, Região Metropolitana de São Paulo. Cunhado de Silva e também comparsa no crime, Edson Bezerra de Gouveia permanecia foragido até a noite de ontem.

A supervisora de vendas foi abordada pela dupla quando deixava a casa do noivo, Luiz Vanderlei de Oliveira, por volta das 8h, em Barueri. Ela dirigia o Ford Fiesta cor prata dele e seguia para um posto de gasolina em Carapicuíba. Lá, ela deveria encontrar três amigas de trabalho. O grupo seguiria para um curso no bairro do Jaguaré, na zona oeste da capital.

Depois da abordagem, os criminosos roubaram Vanessa e a violentaram. Ela foi estrangulada e sufocada com um absorvente colocado na boca. O corpo foi encontrado seminu um dia depois do crime, em um matagal nas proximidades do km 41,5 da Rodovia Raposo Tavares, em Vargem Grande Paulista. Estava repleto de hematomas, indicando que a supervisora de vendas lutou contra os bandidos antes de morrer. Próximas do corpo foram encontradas duas embalagens vazias de preservativos.

O carro que ela dirigia teve o banco do motorista queimado pela dupla e foi encontrado no mesmo dia do desaparecimento, a sete quilômetros do local do crime. Os bandidos levaram também o celular e a bolsa da vítima.

Suspeito. Desde o início das investigações, Gouveia foi apontado como o principal responsável pela morte de Vanessa. Havia dúvidas somente em relação a quem seria o seu comparsa no crime, que foi identificado com certeza pelo setor de homicídios apenas ontem.

A polícia concluiu pelo indiciamento da dupla depois de ouvir várias testemunhas. Duas delas reconheceram Silva como sendo um dos homens que estavam com Vanessa e Gouveia no dia de seu desaparecimento. Disseram inclusive que os suspeitos e a vítima discutiram muito.

Gouveia cumpria pena por roubo em liberdade condicional e se apresentou no Fórum de Barueri oito dias antes do assassinato. Ele morava a cerca de 550 metros da casa da família de Vanessa, em Carapicuíba, e conhecia a vítima. Segundo a polícia, ele teria dito a conhecidos que matou a supervisora por medo de que fosse delatado.

Vanessa tinha o casamento marcado para novembro. A família não foi encontrada ontem para falar sobre o esclarecimento do caso.

CRONOLOGIA

Sumiço ocorreu em fevereiro

12 de fevereiro

A supervisora de vendas desaparece, depois de deixar a casa do noivo. O carro que dirigia é encontrado com o banco do motorista queimado.

13 de fevereiro

A polícia e familiares encontram o corpo de Vanessa nas proximidades do km 41,5 da Rodovia Raposo Tavares, em Vargem Grande Paulista.

15 de fevereiro

Polícia divulga retrato falado de um dos suspeitos de ter cometido o crime.

20 de fevereiro

Edson Bezerra Gouveia é apontado como um dos responsáveis pelo crime.

22 de agosto

Polícia aponta Ronaldo Souza da Silva como cúmplice de Gouveia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.