Preso suspeito de matar funcionário do colégio Sion

O auxiliar Eduardo Paiva foi baleado em junho de 2003 quando voltava para a escola, depois de retirar dinheiro no banco

Laura Maia de Castro e Mônica Reolom, O Estado de S. Paulo

12 Fevereiro 2014 | 14h20

Atualizada às 19h

SÃO PAULO - A Polícia Civil prendeu na manhã desta quarta-feira, 12, o suspeito de matar um funcionário do Colégio Nossa Senhora de Sion, em junho do ano passado, durante um assalto. A prisão, segundo a polícia, auxiliará no esclarecimento de outras "saidinhas de banco", como são conhecidos os assaltos realizados após a vítima sair de um banco.

O irmão do auxiliar Eduardo Paiva, Alberto Paiva, autônomo de 44 anos, disse que a prisão aliviou um pouco a dor da perda. "Não traz a vida do meu irmão de volta, mas nesse momento a dor está um pouco aliviada. Espero que ele fique o maior tempo possível preso", afirmou.

O nome do detido foi divulgado. Leonardo dos Santos, de 19 anos, já tinha três passagens pela polícia - duas por roubo de carro e uma por tráfico de drogas, quando tinha 17 anos. Segundo o delegado Carlos Battista, responsável pela investigação, Santos cometia muitos roubos de "saidinha de banco".

"O perfil dele, pelo que investigamos, era mandar a vítima ajoelhar". O funcionário do colégio se ajoelhou e recebeu dois tiros na cabeça, como comprovam as imagens das câmeras divulgadas na época. Santos afirmou à polícia que só disparou porque a vítima teria esboçado uma reação. A polícia chegou ao suspeito com trabalho de campo e infiltração. A corporação vai agora atrás de pelo mais dois suspeitos que teriam participado do crime.

Caso. O auxiliar Eduardo Paiva, de 39 anos, foi atingido com um tiro na cabeça na Avenida Higienópolis, quando voltava ao trabalho no fim da manhã de 3 de junho de 2013. Ele tinha sacado R$ 3 mil na agência Itaú Personnalité a poucos metros de distância, na esquina com a Avenida Angélica.

Segundo imagens obtidas pela polícia, a vítima foi seguida desde o banco por um homem de blusa vermelha, que havia chegado com um comparsa em uma moto XRE-300 vinho. Logo depois, foi abordada pelo bandido, que a fez ajoelhar-se no chão.

O vídeo mostra Paiva colocando a mão no bolso, como se fosse entregar a carteira. Em seguida, ele põe a mão na calça e tenta se levantar, supostamente para agarrar a perna do criminoso. Ele se ergue em direção ao bandido, mas acaba alvejado no rosto e cai.

Mais conteúdo sobre:
Assalto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.