Preso suspeito de matar executivo em Santo André

Justiça decretou a prisão preventiva do suspeito em janeiro, mas mandato expirou em fevereiro e juiz não renovou

Bruno Lupion, do estadão.com.br,

19 de maio de 2010 | 03h33

SÃO PAULO - Foi detido, na terça-feira, 19, em Santo André, no ABC paulista, Fábio Siqueira Santos, de 28 anos, apontado pela polícia como um dos criminosos envolvidos no assassinato de um gerente de uma multinacional em janeiro deste ano na mesma cidade.

 

Conhecido como "Magrelo", Fábio Siqueira, dirigindo um Passat vermelho, passou por uma viatura da Polícia Militar na Rua Dominicanos, no Jardim Santo André, e foi reconhecido pelos PMs. "Magrelo", que foi abordado, atacou o policial com tapas e socos, causando arranhões em um dos soldados.

 

Em janeiro, a justiça decretou a prisão preventiva de Fábio, mas o mandado expirou em fevereiro e não foi renovado pelo juiz.

 

Fábio foi encaminhado à 1ª Delegacia de Santo André, de onde os policiais seguiram até o plantão judiciário da cidade para tentar uma renovação urgente do mandado de prisão, evitando assim sua soltura. Fábio já foi preso por homicídio em 2002. No fim do mesmo ano, também foi detido por roubo. "Magrelo" ainda tem passagens por tráfico de drogas, furto, porte ilegal de arma e falsidade ideológica.

 

Morte

 

O executivo Rodrigo Brisola Meira, 29 anos, gerente de uma multinacional, foi morto a tiros em 17 de janeiro no Jardim Irene. A vítima e a mulher conversavam com um casal de amigos em frente de casa, quando todos foram surpreendidos por cinco rapazes. Segundo a polícia, as vítimas suspeitaram do grupo e voltaram para dentro da residência.

 

Ao perceberam a fuga das vítimas, Fábio, o suposto autor dos disparos, e seus comparsas foram tirar satisfações. Sem nenhum motivo, segundo o policial, Santos atirou contra Meira, que foi ferido no pescoço. Depois do disparo, o grupo deixou o local e roubou um carro nas proximidades, para conseguir fugir antes da chegada da polícia. Meira foi levado pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) para o pronto-socorro da Vila Luzita, onde morreu.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.