Preso suspeito de agredir skinhead em Pinheiros

A polícia prendeu ontem um suspeito de ter agredido a pauladas o skinhead Fábio dos Santos Medeiros, de 21 anos, na briga entre punks e skinheads que resultou na morte do punk Johni Raoni Falcão Galanciak, de 25 anos, no dia 3. O nome do suspeito não foi divulgado. Medeiros saiu do hospital e deve ser ouvido pela polícia nos próximos dias.

O Estado de S.Paulo

24 de setembro de 2011 | 03h04

O skinhead Guilherme Lozano Oliveira, de 20 anos, acusado de matar Galanciak a facadas, foi preso na semana passada.

O tumulto envolveu cerca de 70 pessoas e aconteceu na frente da casa de shows Carioca Club, em Pinheiros, na zona oeste de São Paulo.

Vídeo. O Grupo de Atuação Especial de Controle Externo da Atividade Policial (Gecep) do Ministério Público vai analisar um vídeo da briga para averiguar se houve erro da Polícia Militar na ocorrência.

No vídeo, gravado por uma câmera de segurança, é possível ver a movimentação dos grupos rivais, o estouro de um rojão e o início do confronto. Em seguida, dois policiais da Ronda Ostensiva com Apoio de Motocicletas (Rocam) chegam ao local e observam a confusão de longe. Com a aproximação de viaturas da PM e do resgate, os dois policiais vão embora.

A promotora Mildred de Assis Gonzalez, responsável pelo caso, diz que encaminhou o vídeo para o Gecep para que sejam esclarecidas as circunstâncias em que os policiais da Rocam chegaram ao local e se eles estavam de fato sozinhos. "Como as imagens não estão nítidas, apenas uma análise cuidadosa poderá dizer se houve irregularidade." Para a Mildred, o vídeo "não vislumbra nada capaz de indicar conduta irregular" e mostra que o reforço chegou rapidamente.

O Comando-Geral da PM diz que analisará o vídeo e os dados dos GPSs das viaturas para verificar a necessidade de abertura de processo na Corregedoria. A corporação afirma que os policiais realizaram o procedimento correto e chamaram reforços pois não tinham condições nem estrutura para intervir.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.