Preso sobrinho suspeito de matar a tia em São Caetano do Sul

Segundo a polícia, rapaz confessou o crime e disse que queria deixar a vítima desacordada para sair de casa

Daniela do Canto e Ricardo Valota, da Central de Notícias,

02 de julho de 2009 | 08h14

O analista de informática Rafael Castro Santiago, de 25 anos, se entregou à Polícia Civil de São Caetano do Sul na tarde desta quarta-feira, 1. Ele é acusado de ter matado a facadas a tia, a doméstica Ana Maria Sanches de Castro, de 59 anos, dentro da casa da família. Segundo a polícia, Santiago confessou o crime com detalhes e sua prisão temporária foi decretada.

 

A primeira versão dada pelo acusado à polícia foi de que a tia o expulsou de casa com a roupa do corpo. Em seguida, disse que havia saído de uma clínica de recuperação para dependentes de drogas recentemente e que foi repreendido pela tia no sábado, 27, porque estava ingerindo bebida alcoólica. Ele continuou a beber, resolveu sair para usar drogas e foi impedido pela tia. Ainda conforme a polícia, o acusado afirmou que não tinha a intenção de matá-la, mas deixá-la desacordada para conseguir sair da residência.

 

Conforme a polícia, depois de esfaquear a doméstica, Santiago fugiu levando R$ 600 dela, dinheiro que usou para comprar drogas em São Paulo e se hospedar em um hotel na cidade. No domingo, 28, viajou para Avaré, no interior do Estado, e chegou a pegar um ônibus para Piraju, sua cidade natal, mas desceu em seguida com medo de ser localizado pela polícia.

 

Ele então voltou a São Paulo e pediu abrigo a uma amiga, que mora em Sapopemba, na zona leste. Depois, resolveu se entregar e foi ao Distrito Policial Central de São Caetano do Sul, acompanhado do irmão.

 

O corpo de Ana foi encontrado na noite de terça-feira, 30, em cima da cama, dentro da casa que fica nos fundos de um terreno na Rua Gurupi. Os parentes, patrões e vizinhos da vítima estranharam o desaparecimento dela, foram à residência e acionaram um chaveiro para abrir a porta. A arma do crime foi encontrada no local.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.