Preso na Bahia, Meira tentou matar colega

O estudante Mateus da Costa Meira era considerado um preso de bom comportamento até maio de 2009, quando foi acusado de agredir a tesouradas um colega de cela, o espanhol Francisco Vidal Lopes, de 68 anos. Meira cumpria a pena de 48 anos e 9 meses pelo crime do shopping em uma penitenciária da Bahia, sua terra natal, para onde foi transferido em 2007.

Marcelo Godoy, O Estado de S.Paulo

05 de maio de 2010 | 00h00

Anteriormente, Meira esteve preso na Penitenciária 2 de Tremembé, no interior paulista. Ganhou um apelido por causa de seu crime: Tela Quente. Descrito como uma pessoa quieta, ocupava cela individual e mantinha distância dos demais detentos.

Meira era sextanista da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa quando cometeu o crime do cinema em 1999. Lá, demonstrou dificuldade de se relacionar com pacientes, de fazer plantões e foi encaminhado a uma psicóloga. Meses antes do crime, o estudante passou a acreditar que era espionado.x

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.