Preso mais um acusado de matar soldado da PM na zona sul de São Paulo

Policial militar foi morto em junho deste ano em uma emboscada a caminho do trabalho

Ricardo Valota, O Estado de S.Paulo,

04 Setembro 2012 | 02h10

SÃO PAULO - Um suspeito de participar da morte de um policial militar no dia 22 de junho deste ano foi preso, no início da noite desta segunda-feira, 3, na região de Parelheiros, no extremo sul da capital paulista, por policiais militares das Rondas Ostensivas Tobias Aguiar (ROTA).

 

Agentes do Serviço de Inteligência da Polícia Militar, em posse de alguns dados da suposta localização do criminoso, às 18 horas repassaram os dados para a equipe da ROTA. Os policias então foram até a Estrada do Jaceguava, na região de Parelheiros, e abordaram um Peugeot 307 ocupado por um casal. Ao volante estava Ronaldo Amaral Gaspar, de 32 anos. Ao lado dele, uma mulher, que seria a amante do bandido. Ela acabou liberada.

 

Durante uma vistoria no veículo, que não tem queixa de roubo ou furto e está no nome da esposa de Gaspar, os policiais encontraram quatro tijolos de maconha no compartimento onde é guardado o estepe. No porta-luvas havia cinco munições, de pistola ponto 40, calibre 9 mm e de espingarda calibre 12. Após confessar ser o dono da droga e das munições, Ronaldo também assumiu sua participação no assassinato.

 

Segundo os policiais militares que prenderam o traficante e homicida, Amaral afirmou que não foi o autor dos disparos que atingiram o soldado Osmar dos Santos Ferreira, que era lotado no 16º Batalhão, cuja sede fica no Rio Pequeno, na zona oeste da cidade. O soldado foi morto com vários tiros às 5h30 da manhã do dia 22 de junho, quando ia para o trabalho, minutos após, de moto, deixar a residência, no Grajaú, bairro vizinho a Parelheiros.

 

Fechado por um Space Fox prata, ocupado por quatro homens, entre eles Ronaldo, que estava ao volante, o policial foi baleado e morreu. A função do criminoso era apenas dirigir o veículo e dar um sumiço no carro e guardar as armas da quadrilha, supostamente ligada à facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC). Após ser preso, Ronaldo foi encaminhado para o Departamento de Investigações sobre Narcóticos (Denarc) e autuado em flagrante por tráfico e porte de munições. Os dados da prisão do criminoso serão transmitidos para a Corregedoria da Polícia Militar e para o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). Ronaldo é o segundo integrante da quadrilha a ser preso.

 

Um dia após o assassinato do soldado Osmar Ferreira, policiais militares da Força Tática do 50º Batalhão detiveram, na Rua Geraldo Honório da Silva, no Jardim Reimberg, também região de Parelheiros, outro homem acusado de participar do crime já havia sido encontrado pela polícia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.