Preso mais um acusado de aplicar "Boa Noite, Cinderela"

Operadora de cartão de crédito acionou a polícia; vítima aceitou chiclete do desconhecido no Centro

03 Fevereiro 2010 | 08h48

C.R.S., de 35 anos, acusado de aplicar "Boa Noite, Cinderela", foi preso nesta terça-feira, 2, enquanto fazia compras com o cartão de crédito da vítima, na região metropolitana de São Paulo, segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP).

 

Policiais militares das Rondas Ostensivas com Apoio de Motocicletas (Rocam) foram acionados pela operadora do cartão para verificarem se havia algum problema com um de seus clientes, que, depois de diversas compras, efetuava mais uma em uma loja de móveis em Taboão da Serra.

 

Na frente da loja, os policiais abordaram C.R.S. e, com ele, foi encontrado o cartão. Após algumas perguntas feitas pelos PMs, o homem admitiu que o cartão era clonado. "Ele disse que havia comprado o cartão por R$ 3 mil na Santa Ifigênia", explicou o soldado Guilherme Rafael Reginatto da Rosa, do 36º Batalhão de Polícia Militar Metropolitano (BPM/M), que participou da prisão.

 

Com a confissão, os policiais o levaram ao Distrito Policial Central de Taboão, e apreenderam móveis, panelas e uma máquina fotográfica digital que haviam sido comprados com o cartão. Em seguida, os PMs deixaram o DP e começaram a procura pela vítima.

 

Segundo a SSP, no endereço do proprietário do cartão, nos Jardins, zona sul de São Paulo, os policiais foram atendidos por um homem sonolento que disse ter aceitado um chiclete de uma pessoa na tarde de segunda-feira, no cruzamento das avenidas São João e Rio Branco, no Centro. "Ele aceitou o doce e acordou, no dia seguinte, dentro de um quarto de hotel no mesmo cruzamento", completou o soldado. A vítima despertou e voltou para sua casa, onde voltou a dormir, não informando a polícia do fato.

 

Assim, os policiais acompanharam a vítima até o DP de Taboão da Serra, onde o acusado admitiu ter aplicado o golpe. O homem, que também estava com o relógio da vítima, será indiciado por estelionato.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.