Preso maior líder do PCC fora das cadeias

Criminoso mais procurado do Estado, Buda organizou plano de fuga de Marcola, o líder máximo do PCC, da Penitenciária P2 

Bruno Ribeiro, O Estado de S. Paulo

26 de novembro de 2014 | 00h03

SÃO PAULO - Apontado como principal nome do Primeiro Comando da Capital (PCC) fora dos presídios - e com um prêmio de R$ 5 mil para quem ajudasse na sua captura -, o foragido Márcio Geraldo Alves Ferreira, conhecido como Buda, de 32 anos, foi preso nesta terça-feira, 25, pela Polícia Civil. Ele foi capturado em um acesso à Avenida Aricanduva, na zona leste de São Paulo, em uma ação que terminou com um helicóptero da polícia pousando no carro do suspeito.

Buda é um dos organizadores do plano de fuga descoberto no começo do ano de Marco Willians Herbas Camacho, o Marcola, líder máximo do PCC, da Penitenciária P2 de Presidente Venceslau, a 611 km da capital. A reportagem não encontrou advogados de Buda para comentar a prisão e as acusações. 

Suspeito também de liderar o tráfico de drogas da zona norte, ele foi detido depois de obedecer ordem para parar o carro e não ofereceu resistência. Estava em um utilitário Fiat Freemont, sozinho, e, quando detido, tinha uma carteira de motorista, um título de eleitor e um certificado de reservista falsos. 

Buda foi preso pela Delegacia de Vigilância e Capturas depois de três meses de buscas. Nesse período, segundo a polícia, ele frequentava a zona norte apenas para comandar as operações criminosas de tráfico da facção - passou a viver com a família em São José dos Campos, a 97 km da capital.

Maconha. Durante a perseguição ao foragido, a polícia acabou apreendendo 2,5 toneladas de maconha. “Uma tonelada no mês passado e uma e meia na semana passada”, disse o delegado encarregado da ação, Fabio Sandrim. Os carregamentos foram descobertos à medida que os policiais obtinham novas informações sobre o possível paradeiro do foragido: os policiais iam atrás de pistas de Buda, que escapava, mas apreendiam as drogas que ele comercializava. “O crime organizado tem lideranças. Ele certamente será substituído por outra pessoa que manterá o tráfico”, disse o delegado. 

Enquanto seguiam nova pista, nesta terça, policiais em um carro descaracterizado cruzaram com o de Buda na Rodovia Presidente Dutra. “Pedimos reforço de viaturas caracterizadas e do Pelicano (o helicóptero da Polícia Civil)”, disse o delegado. “Não sabíamos se ele estava sozinho, se tinha armas.”

Havia três mandados de prisão contra Buda, por porte de armas, falsificação de documentos e extorsão mediante sequestro. Em 2010, ele deixou o Centro de Progressão Penal de Rio Claro, no interior, onde cumpria uma de suas penas, e não voltou mais. Era foragido desde então.

Dez mais. Buda figurava na lista dos dez criminosos procurados do Estado desde julho do ano passado - quando o ranking ela liderado pelo ex-médico Roger Abdelmassih. “Não demos tanto destaque para ele (Buda) porque muita exposição poderia atrapalhar a investigação. Mas ele que era, de fato, o fugitivo mais procurado de São Paulo”, disse o delegado.

Tudo o que sabemos sobre:
PCCSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.