Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Preso ex-delegado de polícia que recebeu 17 prêmios de loteria

Luiz Ozilak estava sendo investigado pela PF desde 2003, quando apareceu na lsita de grandes ganhadores

Bárbara Souza, Jornal da Tarde

26 de janeiro de 2008 | 22h07

O ex-delegado Luiz Ozilak, famoso por afirmar ter ganhado 17 vezes na loteria entre agosto e novembro de 2001, disse que acertou a quadra mais uma vez, na semana passada. Mas, neste sábado, o sargento Wagner Silva Figueiredo teve mais sorte que ele. Conseguiu capturá-lo, em sua Pajero prata, depois de um ano e quatro meses foragido, no Portal do Morumbi, na Zona Sul.   A prisão foi resultado de uma ação conjunta da Polícia Militar e o Departamento de Investigações sobre Narcóticos (Denarc).   Segundo Figueiredo, havia uma orientação do Denarc para prender um foragido que circulava pela região em uma Pajero prata, placas 2828. O carro, segundo o delegado Hamilton Gianfratti, da Corregoria Geral da Polícia Civil, pertence à mulher de Ozilak.   O ex-delegado não resistiu. Apresentou-se e entregou os documentos, que batiam com os dados do foragido. Ao vistoriar o veículo, o sargento encontrou uma identidade, que não era do ex-delegado. Simples e tranqüilo, segundo o policial militar, Ozilak se disse um "sortudo" por ganhar tantas vezes na loteria. Ele não resistiu à voz de prisão e foi encaminhado à Corregedoria. De lá, seria levado ainda ontem ao Presídio Especial da Polícia Civil, na Zona Norte.   Apelidado por colegas de "João Alves" - o ex-deputado federal que se dizia vencedor de diversos prêmios da loteria -, Ozilak era plantonista do 75º Distrito Policial, no Jardim Arpoador, zona oeste. Estava sendo investigado pela Polícia Federal desde 2003, quando o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) divulgou os nomes de 30 pessoas que teriam acertado a loteria várias vezes, em pouco tempo. O delegado, exonerado pelo governador José Serra em setembro do ano passado, figurava na lista.   Lavagem de dinheiro   O ex-policial teria acertado sete vezes na Mega Sena, além de receber prêmios das Loterias Federal, Esportiva, Instantânea e Dupla Sena. A polícia ainda investiga quanto Ozilak teria faturado.   Segundo Gianfratti, da Corregedoria, Ozilak era procurado por lavagem de dinheiro e tráfico de drogas, mas pesam ainda acusações de crimes como associação ao tráfico, formação de quadrilha ou bando, contrabando ou descaminho e ameaça a testemunha. O ex-delegado ganhava um salário de cerca de R$ 5 mil. Entretanto, era dono de um hotel de luxo, avaliado em R$ 12 milhões, em Juquitiba.   À época das primeiras acusações, em 2005, ele afirmou ter comprado tudo o que tem com o salário ganho em 29 anos de trabalho na polícia.   Para o sargento Figueiredo, o dia terminou com sabor de vitória. "Estou feliz, porque policial de verdade não faz o que ele fez", disse, ao comentar a prisão do ex-colega de profissão.

Tudo o que sabemos sobre:
loterialavagem de dinheiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.