Preso em TO mais um acusado do assalto ao BC

Rubens Araújo ficou com 'apenas' R$ 5 milhões do grande roubo; capturado em Palmas, ele planejava agora ações em Uberaba

MARCELO PORTELA, BELO HORIZONTE, O Estado de S.Paulo

31 Março 2012 | 03h03

Um dos envolvidos no maior furto da história do País foi preso ontem pela Polícia Civil mineira. Rubens Ramalho de Araújo, o Rubão, de 44 anos, é acusado de participar do assalto ao Banco Central em Fortaleza, de onde foram levados R$ 164 milhões. Ele estaria planejando novos crimes em Uberaba, no Triângulo Mineiro, e foi encontrado em Palmas após buscas em Minas Gerais e Tocantins.

Nascido em São Bento, na Paraíba, Rubão estava na lista de mais procurados da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social do Estado do Ceará. Atualmente, há 19 mandados de prisão contra Rubão. Três são da Justiça mineira e os demais expedidos em outros sete Estados - São Paulo, Paraíba, Piauí, Mato Grosso, Maranhão, Bahia e Ceará.

Rubão chegou a ficar preso no Instituto Penal Paulo Sarasate (IPPS), em Fortaleza, mas escapou em 2008, ao render cinco policiais enquanto era conduzido para prestar um depoimento. Em 2011, ele foi preso no Piauí, mas escapou novamente.

Segundo a polícia, ele ficou com uma parte "pequena" do furto ao BC: R$ 5 milhões. Isso porque ele teria se recusado a passar pelo túnel por causa de uma fobia. Mas sua parte foi suficiente para Rubão comprar veículos, prédios e fazendas em Tocantins e Piauí.

Ele é acusado de envolvimento em assaltos a bancos e carros-forte. A maioria dos crimes foi cometida em cidades do interior de Minas e do Nordeste. Em um dos assaltos a um carro-forte em Ipatinga, no Vale do Aço mineiro, dois seguranças morreram.

Rubão usava documentos falsos com o nome de João Batista de Araújo e foi preso na quarta-feira por agentes da Delegacia Especializada de Repressão a Organizações Criminosas (Deroc) da Polícia Civil mineira.

A movimentação da quadrilha era monitorada há cerca de um ano, até que a localização de Rubão foi confirmada. Temendo que ele fosse novamente resgatado por comparsas - ainda procurados -, os policiais embarcaram em um avião com destino a Goiás e depois seguiram para Minas assim que o suspeito foi encontrado. Ele foi encaminhado para a Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.