Policia Civil/Divulgação
Policia Civil/Divulgação

Preso em saída temporária é suspeito de assassinar estudante em Sorocaba

Paulo César Manoel não voltou à penitenciária onde cumpria pena de 19 anos por roubo e estupro; foragido, deixou a tornozeleira eletrônica na cama da pensão

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

30 de maio de 2019 | 21h05

SOROCABA – Um homem preso por roubo e estupro, em saída temporária pelo Dia das Mães, é suspeito de ter assassinado a estudante Rafaela de Campos, de 19 anos, no último domingo, 26, em Sorocaba, interior de São Paulo. A jovem desapareceu depois de ter prestado vestibular, no centro da cidade, e foi encontrada morta, no dia seguinte, dentro do Rio Sorocaba.

O suspeito, Paulo César Manoel, de 40 anos, cumpria pena de 19 anos por roubo e estupro e deixou a prisão usando tornozeleira eletrônica, mas não retornou e era considerado foragido. Segundo a polícia, ele usava o equipamento quando cometeu o crime. 

De acordo com a Polícia Civil, imagens de câmeras de monitoramento mostraram a jovem sendo abordada pelo suspeito. Ela esperava o ônibus para Votorantim, onde morava, numa rua à margem do rio. Em seguida, os dois caminham em direção ao outro lado da rua. Cerca de 15 minutos depois, outra câmera flagrou o homem voltando sozinho. A polícia acredita que, nesse espaço de tempo, ele tentou estuprar Rafaela e acabou matando a jovem que, provavelmente, tentou se defender. A estudante ainda estava viva quando foi jogada no rio, e morreu afogada.

Paulo César é de São Paulo e já havia cumprido dez anos da pena na Penitenciária Dr. Antonio Souza Netto, de Sorocaba, quando conseguiu progredir para o regime semiaberto. Nessa condição, ele foi beneficiado com a saída do Dia das Mães, no dia 24 deste mês, e devia ter voltado no dia 27, mas não retornou. O suspeito estava hospedado em uma pensão, próxima da rodoviária de Sorocaba. No dia seguinte ao crime, o detento quebrou a tornozeleira eletrônica e deixou o equipamento sobre a cama. 

A polícia distribuiu fotos e montou um cerco na tentativa de deter o suspeito. Até a noite, ele continuava foragido. O detento já rodou pelo sistema penitenciário paulista, passando pela Cadeia de Pinheiros, em São Paulo, Centro de Detenção Provisória de Osasco e penitenciárias de Iaras, Serra Azul e Presidente Venceslau, antes de ser transferido para Sorocaba. O corpo de Rafaela foi sepultado nesta quarta-feira, 29, no Cemitério São João Batista, em Votorantim.

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.