Preso casal acusado de queimar bebê em Sorocaba

Mulher acusou babá e depois teria confessado, mas ao ser presa negou crime; homem diz que não se lembra

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

26 Janeiro 2009 | 21h36

A justiça criminal de Sorocaba determinou nesta segunda-feira, 26, a prisão temporária do borracheiro Ricardo da Silva Barbosa, de 36 anos, e de sua mulher Telma Gonçalves Florêncio, de 27, acusados de torturar o próprio filho, um bebê de três meses. O crime aconteceu na madrugada do último dia 13. De acordo com a Polícia Civil, a mulher teria queimado a criança com pontas de cigarro. Como o bebê chorava muito, Ricardo despejou uma caneca de leite quente em seus pés. Com queimaduras graves, a criança ficou hospitalizada durante uma semana.   Inicialmente, Telma acusou uma suposta babá pelas agressões. Depois, acabou confessando sua participação e do marido. Ela disse que ambos tinham ingerido quatro garrafas de vinho. Ao ser presa, Telma negou o crime e disse que alguém tinha entrado na casa e queimado a criança. O borracheiro disse que estava tão bêbado que não se lembrava de nada. Ele foi levado para a Cadeia Pública de Pilar do Sul. A mulher está presa na Cadeia Feminina de Votorantim. A criança continua sob cuidados do Conselho Tutelar.

Mais conteúdo sobre:
Sorocaba agressão polícia Justiça

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.