Preso beneficiado por indulto é acusado de estupro em SP

Condenado por assalto, presidiário cumpria pena desde janeiro deste ano na Penitenciária de Avanhandava

Ricardo Valota, do estadão.com.br, e Andressa Zanandrea, do Jornal da Tarde,

27 de dezembro de 2007 | 05h20

Beneficiado pelo indulto de Natal, o assaltante Francisco Ferreira da Costa Silva, de 33 anos, que cumpre pena desde janeiro deste ano na Penitenciária de Avanhandava, interior do Estado, foi preso, por volta das 23 horas de quarta-feira, acusado de estupro. A prisão aconteceu momentos depois de Silva estuprar, por duas vezes, no Jardim Campo de Fora, zona sul de SP, uma vendedora, de 19 anos, que voltava para casa após um dia de trabalho em um shopping no bairro do Campo Limpo, na mesma região. Policiais civis foram acionados por um funcionário do shopping que passava em frente ao ponto de ônibus onde vítima e criminoso estavam. Ao perceber que o rapaz ao lado da jovem não era o marido dela, a testemunha ligou para a polícia. Os policiais, do Parque Santo Antonio, foram então para a Rua Cabo Estácio da Conceição. O presidiário havia acabado de atacar a vendedora. Ao ver a polícia, correu e acabou preso em uma rua próxima. A vítima, casada há 4 anos, no momento em que foi abordada pelo bandido, esperava pelo marido. Os dois tinham combinado de se encontrar em um ponto de ônibus, mas a jovem se confundiu e acabou descendo da lotação no ponto errado, a cerca de 5 quarteirões da parada correta. O acusado já fora vizinho do marido da vendedora quando este era solteiro, no Jardim Campo de Fora. Detido e já indiciado várias vezes, Francisco Ferreira da Costa Silva será encaminhado ao Centro de Detenção Provisória (CDP) de Pinheiros, pois corre o risco de ser morto pelos colegas de cela caso volte para Avanhandava. Indulto Pelo menos 15 mil detentos foram soltos para passar as festas de Natal e ano-novo em casa com a família. O benefício é previsto na Lei de Execuções Penais. O período que cada detento pode ficar longe das celas foi determinado pela Vara de Execuções Criminais da comarca responsável pelo presídio. O benefício é de pelo menos cinco dias. Os beneficiados começaram a sair na sexta-feira, 21, das unidades prisionais e devem retornar até as 17 horas do dia 2 de janeiro. Quem não retornar no prazo estipulado pela Justiça será considerado foragido do sistema prisional. Segundo a Secretaria da Administração Penitenciária (SAP), 14.323 detentos foram beneficiados com a saída temporária em igual período no ano passado. Desse total, 974 (6,81%) não retornaram. Esse número de fugitivos é suficiente para lotar um Centro de Detenção Provisória (CDP) - que tem capacidade para 768. No Estado, os presidiários do regime semi-aberto podem sair temporariamente em cinco datas: Natal/ano-novo; Páscoa; Dia das Mães; Dia dos Pais; Dia das Crianças ou Finados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.