Presidente e PT devem ter ações distintas

O tratamento político a ser dado pelo PT em relação à crise será discutido em reunião marcada para amanhã na capital. A tendência, segundo um dirigente, é que se coloque o caso no histórico de passivos acumulados pelo PSDB em 20 anos de gestão no Estado. Se a cúpula decidir pela crítica pública, a posição ficará circunscrita ao braço paulista. Já a presidente Dilma Rousseff, que é pré-candidata à reeleição, tratará o assunto de maneira "republicana". O possível impacto de um eventual racionamento de água sobre o preço dos alimentos, o impacto sobre a inflação, e os desgastes da abertura da imagem da Copa do Mundo preocupam o governo. Também pré-candidatos ao governo paulista, o presidente da Fiesp, Paulo Skaf (PMDB), e o ex-prefeito Gilberto Kassab (PSD) já politizaram a crise. Ambos disseram que faltou investimento do governo estadual para evitar crise decorrente da falta de chuva.

BASTIDORES: Pedro Venceslau e Ricardo Galhardo, O Estado de S.Paulo

19 Março 2014 | 02h03

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.