Márcio Fernandes/Estadão
Márcio Fernandes/Estadão

Presas fazem curso com Alex Atala

Trinta e cinco mulheres da Penitenciária Feminina da Capital tiveram aulas com o renomado chef

Felipe Resk, O Estado de S. Paulo

08 Agosto 2014 | 03h00

SÃO PAULO - A paraguaia Deisy Carina, de 24 anos, arregala os olhos quando fala da família: há um ano e dois meses não tem notícia da mãe nem dos irmãos. O período corresponde ao tempo em que está na Penitenciária Feminina da Capital (PFC), na zona norte de São Paulo, para onde foi condenada a 16 anos de reclusão por tráfico de drogas.

Se não estivesse presa a mais de 1,2 mil quilômetros de casa, Deisy mostraria com orgulho as duas rosas de plástico e o certificado que ganhou por concluir um curso de gastronomia iniciado há duas semanas na unidade penal. Na cerimônia, recebeu também a foto da turma. Ao todo, 35 mulheres - entre elas, 21 estrangeiras e três funcionárias da PFC - posam lado a lado.

Transformação. O curso é empreendido pela Gastromotiva, organização fundada pelo chef David Hertz, com apoio do Instituto Atá, do renomado chef Alex Atala, em parceria com o governo do Estado e com o Tribunal de Justiça de São Paulo.

“Trabalho para pessoas favorecidas, mas o maior luxo que temos é poder transformar as pessoas para melhor”, disse Atala. “A ideia é fazer transformação social tendo a gastronomia como fio condutor”, reforçou Hertz.

Presente à cerimônia, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) mostrou-se animado. “Vamos manter um curso por mês, para formar 350 pessoas do setor por ano”, disse. O governador não ficou para a degustação do escondidinho de carne-seca com três raízes e bolo de aipim com laranja feitos pelas alunas.

De tudo que aprendeu, o que Deisy mais gosta de cozinhar é xinxim de galinha. “Antes, não sabia nem fritar um ovo”, confessa. Hoje, até trabalha na cozinha da penitenciária. “Olha, a televisão veio aqui, quem sabe minha família, lá do Paraguai, não vê que, agora, eu estou no caminho certo?”

Mais conteúdo sobre:
São Paulo Alex Atala presas

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.