Presa dupla suspeita de se passar por pastores para aplicar golpes em investidores

Estelionatários falavam que precisavam lavar dinheiro obtido com a doação de fiéis e sumiam com recursos das vítimas

O Estado de S, Paulo

10 de setembro de 2013 | 10h11

SÃO PAULO - A Polícia Civil de São Paulo prendeu na manhã desta segunda-feira, 9, um dupla suspeita de se passar por membros de uma igreja para dar golpes em investidores que eram convidados a lavar o "caixa dois" do dinheiro arrecadado com os fiéis. Os comerciantes José Wilton Alves de Brito, o Pastor Mariel, de 54 anos, e Edir Almeida Peixoto, o Almeida, de 62 anos, foram detidos, respectivamente, em Mauá, no Grande ABC, e Itatiba, na região de Campinas.

Segundo investigação do Departamento Estadual de Investigações Criminais, os dois obtiveram 50 mil dólares com fraudes a investidores de Americana, no interior do Estado. Eles prometerem trocar essa quantia em uma operação de câmbio, mas fugiram com o dinheiro. O golpe foi dado em julho, em um hotel próximo ao Parque Ibirapuera, na zona sul de São Paulo.

Ainda de acordo com a polícia, os comerciantes foram à Americana, como membros de uma igreja neopentecostal, e declaram que tinham intenção de adquirir um terreno para abrir um novo templo. Brito se apresentava como pastor e ambos tinham passagens na polícia por estelionato. Na cidade, eles teriam procurado por corretores de imóveis e mostrado documentos sobre a entidade religiosa a que pertenceriam.

Os suspeitos marcavam encontros em escritórios de alto padrão na região do Brooklin, zona sul. Em uma dessas ocasiões, ele contou às vitimas que não sabia o que fazer com o dízimo arrecado "por fora" dentro da igreja. Ele propôs, então, comprar dólares por valores acima do preço de mercado.

Na data da transferência, as vítimas foram a uma sala de hotel alugada e levaram os valores em uma mala. Segundo o inquérito, o dinheiro foi entregue aos suspeitos. O pastor teria dito que levaria o dinheiro ao cofre e companheiro se levantou para atender uma ligação. Quando dera por si, de acordo com as vítimas, os dois já haviam fugido.

Mais conteúdo sobre:
pastoresgolpes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.