'Preocupada', ONU cobra atos livres na Copa

O relator das Nações Unidas para a Liberdade de Expressão, Frank La Rue, afirmou ontem que o governo brasileiro tem de garantir que os manifestantes possam protestar na Copa do Mundo, em junho. Para ele, as organizações que planejam os atos, porém, precisam ter "responsabilidade".

Jamil Chade / GENEBRA, O Estado de S.Paulo

25 Fevereiro 2014 | 02h03

"O que me preocupa é a Copa do Mundo", disse La Rue. "Todos vão querer protestar nesse momento", afirmou. Ele revelou que já tratou do tema com a ministra-chefe da Secretaria de Direitos Humanos, Maria do Rosário, em dezembro.

"O governo tem de garantir que as manifestações possam ocorrer, mesmo durante a Copa", disse La Rue. "Os manifestantes precisam entender que outros têm direitos que os protestos precisam acontecer em locais distantes das partidas, das regiões dos estádios."

No ano passado, o relator enviou carta confidencial ao governo brasileiro alertando para riscos de violações aos direitos humanos. Informações obtidas pelo Estado apontam que, desde então, o governo não respondeu à ONU.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.